O coreano Kim Ki-duk dispara seu arco na TV paga

Há em todo o mundo um culto ao cinema coreano de ação. São filmes de gêneros, especialmente policiais, com elementos clássicos de gângsteres e de noir. Mas existe um outro cinema coreano, representado por autores como Kim Ki-duk, de obras como Casa Vazia e Primavera, Verão, Outono, Inverno e Primavera. Kim Ki-duk é o diretor de O Arco, que passa às 22 horas no Telecine Cult.O filme conta a história desse velho que vive recluso com uma garota, em alto mar. Ela está prometida para ser sua mulher, quando completar 17 anos - e a data se aproxima. O barco é alugado para grupos de pescadores. Chega esse jovem que atrai a garota - e desestabiliza o velho.Kim Ki-duk faz filmes de grande complexidade estética (e ética). O que representa o arco na história? Instrumento musical, arma e ferramenta, o arco trabalha com tensões e distensões que compõem a própria essência narrativa do filme. O autor interessa-se por climas poéticos. Para mais de um crítico, disparando seu arco, Kim Ki-duk errou o alvo neste filme. Tolice - a delicadeza do tom, a beleza dos atores, tudo se une para criar belas cenas. Casa Vazia e Primavera... são melhores, mas O Arco é perturbador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.