O caso das influências não creditadas nos discos de Bob

No mais recente álbum, Modern Times, ele dialoga com a obra de Henry Timrod

O Estadao de S.Paulo

02 Fevereiro 2008 | 00h00

Nascido Robert Allen Zimmerman em Duluth, Minnesota, cidadezinha do Meio-Oeste americano, Bob Dylan recebeu também o nome judaico de Shabtai Zisel ben Avraham. Seus pais eram Abe e Beatrice Zimmerman, ele judeu de origem russa, e ela de origem lituana. O artista adotou o nome com o qual se tornou célebre em homenagem ao poeta inglês Dylan Thomas, autor de versos de beleza desolada, como este (em tradução de Mário Faustino): ''''A luz estoura onde sol nenhum brilha/ Onde mar nenhum corre/ As águas do coração metem suas marés.''''Mas Dylan garante que não é um poeta. ''''Wordsworth é poeta, Shelley é poeta, Allen Ginsberg é poeta'''', afirmou. Ainda assim, pululam referências literárias. Em 2006, o jornal The New York Times registrou uma curiosa polêmica: o disco mais recente de Bob Dylan, que estava sendo lançado naquele ano, Modern Times, continha referências não creditadas do poeta Henry Timrod. O disco marca um vigoroso retorno de Dylan ao blues do Delta do Mississippi, assim como ao rock''''n''''roll.O mais curioso é que Timrod é um obscuro poeta da época da Guerra Civil americana, um nativo de Charleston que morreu em 1867, aos 39 anos. O New York Times assinalou o que parece suspeita sincronicidade entre as letras de Dylan e a poesia de Timrod: ''''More frailer than the flowers, these precisous hours'''', canta Dylan na música When the Deal Goes Down. No poema Rhapsody of a Southern Winter Night, Timrod escreveu: ''''A round of precious hours/ Oh! here, where in that summer noon I basked/ And strove, with logic frailer than the flowers.''''A denúncia foi feita pelo biógrafo de Timrod, Walter Brian Cisco, mas sem queixumes. ''''Fico grato que Timrod tenha ganhado algum reconhecimento'''', afirmou Cisco. Não há referência ao poeta no encarte do disco de Dylan, e muitos críticos ouvidos pelo jornal vêem o fato mais como uma reverência do cantor ao poeta do que como um plágio. O próprio título do disco, Modern Times, parece jogar com as letras do nome do poeta, Timrod, enxergaram alguns fãs.Alguns detratores lembraram também que não é a primeira vez que isso ocorreria na obra do bardo de Minnesota. No disco Love and Theft, foram encontradas passagens similares às do romance Confessions of a Yakuza, escrito por Junichi Saga, um obscuro autor japonês. Também se referiram a empréstimos de filmes e peças, como por exemplo Love Is Just a Four-Letter Word, que remete a uma frase de Gata em Teto de Zinco Quente, de Tennessee Williams.Segundo Allen Ginsberg, a ligação de Dylan com os beats era uma espécie de retroalimentação. ''''Dylan tinha um fôlego fantástico, como um cantor de blues do Oeste. Quando ouvi seus discos, fiquei nocauteado. Pensei: bem, ainda não chegamos ao fim da linha.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.