''O Brasil se tornou um país policial há muitos anos''

ENTREVISTA - José Alvarenga Jr.: diretor

Patrícia Villalba, RIO, O Estadao de S.Paulo

30 de março de 2009 | 00h00

Qual a ideia que o levou a abordar a corregedoria policial?Quando caiu a negociação para fazer um seriado do Tropa de Elite, continuei tentando outro caminho para discutir a polícia. O Brasil virou um país policial há muito anos. Convidei o (Fernando) Bonassi e o Marçal (Aquino) para pensar. Depois de muitas discussões, eles vieram com a polícia que investiga a polícia. O Wilson (Murilo Benício) tenta conviver com as impossibilidades da lei. É uma discussão do momento.Você espera que o tenente Wilson conquiste a mesma simpatia que o capitão Nascimento?A gente busca não uma identificação, mas um olhar atento aos personagens. O Wilson flutua numa espécie de angústia que é a mesma em que os brasileiros flutuam, em relação à lei e à Justiça. É uma discussão que não se encerra fácil. O que procuramos foi usar um personagem que vivencia essas ambiguidades desse entendimento, pelo lado da reflexão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.