Novos olhos sobre um velho percurso

Na performance Audiotour Ficcional, espectador recebe fone de ouvido com instruções para caminhar pelo centro da cidade

Beth Néspoli, O Estadao de S.Paulo

19 de novembro de 2007 | 00h00

Pode parecer mero entretenimento, mas a julgar pela edição criada para o Festival Internacional de São José do Rio Preto, a performance Auditour Ficcional é bem mais que isso - religa o público que dela participa com uma memória coletiva e ancestral. Nessa criação, o espectador, um por vez, recebe um fone de ouvido acoplado a um reprodutor de MP3 e percorre ruas e praças da cidade, durante cerca de uma hora, num roteiro que descobre a cada momento, a partir das instruções que vai ouvindo na fita. Veja trecho do Audiotour ficcional em São Paulo em vídeoNa cidade de São Paulo, o percurso começa no Sesc Consolação e, assim como em Rio Preto, há uma trama policial na camada mais superficial. A fita ouvida teria sido gravada por um detetive para o seu assistente, com instruções para que este - no caso o ''''assistente'''' é quem ouve a fita - siga as pistas de uma investigação já iniciada. Guedes, o detetive, teria recebido de um casal do interior de São Paulo a missão de procurar sua filha, um jovem bonita que fora vista pela última vez embarcando num ônibus com destino à capital.O diferencial dessa performance interativa, pelo menos foi assim em Rio Preto, está na cuidadosa escolha de algumas ''''pistas'''' - como os versos de um salmo num monumento semidestruído numa praça da cidade ou as esculturas de sereias no antigo aqueduto. A forma como esses indícios foram trabalhados permitiram ao espectador um trânsito extremamente interessante entre a história particular, seja pessoal ou da cidade, e a memória mítica, universal. Experiência que deve se repetir aqui, uma vez que esse é o desejo dos criadores, o casal Ariel Dávila e Christina Ruf, fundores do grupo BiNeural-MonoKultur, cuja pesquisa é a busca de novas formas de realizar as artes cênicas.Até a estréia no festival do interior paulista, ele só haviam experimentado sua criação na Argentina. Em Rio Preto, chegaram um mês antes à cidade e fizeram muita pesquisa para criar o novo percurso, sem diluir o conceito de religação do homem com a sua Cultura ancestral. ''''Eu não sabia que a primeira catedral havia pegado fogo'''', dizia encantada uma moradora local ao fim do tour. Num dado momento, o espectador era levado a ficar de costas para o principal shopping do centrão para observar a fachada de um prédio baixo, escondido: o edifício ainda abrigava o primeiro hotel da cidade e, com a ajuda da fita, a memória resgatava sua imponência passada, quando se destacava na praça de casas baixas. ''''Estamos planejando fazer na cidade de São Paulo, mas lá terá de ser bem diferente'''',. disse Cristina Ruf em Rio Preto, em julho. Ou seja, foi grande o tempo de preparação para o tour paulistano, que contou com a parceria do escritor Tiago Novaes, começa hoje e integra a Mostra Sesc de Artes.Muito bem cronometrada, a gravação permite ao ''''espectador'''' seguir as pistas e lhe dá tempo o suficiente para esperar o farol verde e atravessar ruas na faixa - ''''não quero um assistente ferido, alerta a voz na fita - e ainda ouvir observações sobre as calçadas esburacadas ou frases bem-humoradas sobre a atração exercida pela metrópole: ''''São Paulo é mesmo um best seller - sucesso de público, fracasso de crítica.'''' A delimitação precisa, e de fácil decodificação, do percurso a ser seguido é importante justamente para abrir espaço interior, em quem caminha e ouve, para fazer o trânsito proposto entre o que é particular nesse tour e o que é coletivo.Vale experimentar a sensação de andar sem conhecer o próximo passo, de se deixar levar por uma voz e, por meio dela, ver a cidade com outros olhos. Divertido? Cada um vai filtrar o que ouve de forma pessoal. Sem dúvida Audiotour Ficcional é espetáculo único.Serviço Audiotour Ficcional. Sesc Consolação . R. Dr. Vila Nova, 245, 3234-3000. 2.ª a 6.ª, 11 h às 17 h; sáb., 9 h às 12 h. Saídas a cada 10 minutos. O roteiro completo dura cerca de 1 hora. R$ 3 a R$ 10. Até 1.º/12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.