Nova roupagem para duas damas

O relançamento da obra de Lygia Fagundes Telles e Zélia Gattai, com novo projeto gráfico, é um dos destaques do semestre

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

26 de janeiro de 2009 | 00h00

A obra de duas damas da literatura brasileira ganha nova roupagem e já se apresenta aos leitores logo neste início do ano. Lygia Fagundes Telles e Zélia Gattai terão seus textos agora publicados pela Companhia das Letras, que desenvolveu um esquema especial de relançamento para cada uma. Zélia será a primeira a se apresentar, já em fevereiro, com a chegada de dois de seus mais famosos títulos, enquanto Lygia receberá justas homenagens em abril, com uma série de eventos.Com uma escrita essencialmente biográfica, Zélia (1916-2008) deixou nove livros de memórias, um romance e três obras infantis. O mais famoso foi justamente o que marcou sua estreia na literatura, lançado quando ela estava com 63 anos: Anarquistas Graças a Deus. Trata-se de um delicado retrato dos imigrantes em São Paulo, no início do século passado, quando italianos, espanhóis e portugueses fomentaram um movimento político-operário de fundo anarquista.O livro tornou-se um imenso sucesso quando lançado em 1979, inspirando uma minissérie de televisão e distinguindo Zélia, que deixou de ser conhecida apenas como a mulher de Jorge Amado. "E até hoje continua muito adotado, daí nossa decisão de iniciar o relançamento com o Anarquistas e Senhora Dona do Baile", comenta Luiz Schwarcz, editor da Companhia das Letras.As duas obras chegam em fevereiro, cada uma com um caderno de fotos, detalhe, aliás, que vai acompanhar toda a reedição. Ao todo, serão reeditados 11 títulos separadamente - outros quatro deverão ganhar um corpo único, sob a organização do competente crítico e jornalista José Castello, que vai destacar seu cunho memorialístico. "É justamente o recorte na obra da Zélia que recupera a trajetória da família Amado", explica Schwarcz.Em junho, será a vez de um infantil, Jonas e a Sereia. Outro grande sucesso da autora, Um Chapéu para Viagem, chega em agosto. Com a previsão de lançamento de dois títulos por semestre, a sequência prossegue até fevereiro de 2011, data para Chão de Meninos e Cittá di Roma.Já os livros de Lygia Fagundes Telles começam a chegar em abril com um precioso projeto editorial: as capas serão desenhadas por Beatriz Milhazes, uma das artistas brasileiras com maior reconhecimento no exterior na atualidade. E, desde que foi formalizado o contrato com a escritora, no final do ano passado, dois consultores, Alberto da Costa e Silva e Antônio Dimas, vêm relendo seus textos para reorganizar a nova publicação.Os primeiros livros a ganhar nova roupagem chegam também com um ensaio crítico especialmente escrito para cada um. Assim, As Meninas terá a análise de Cristóvão Tezza enquanto o próprio Antônio Dimas se encarregará de Antes do Baile Verde. E Ana Maria Machado cuidará de Invenção e Memória. As obras terão ainda uma fortuna crítica especialmente preparada.A festa, em abril, promete ser grande - além do início da reedição, a dramaturga e escritora Maria Adelaide Amaral vai selecionar trechos da obra da escritora e convidar atores para fazer uma leitura dramática. E o escritor e compositor Arthur Nestrovski prepara uma música especialmente para o evento.O contrato com a Companhia das Letras, que passa a ter validade a partir do próximo mês, prevê a edição de 12 títulos. Com a antiga editora, a Rocco, continuam Conspiração de Nuvens e as coletâneas Meus Contos Preferidos e Meus Contos Esquecidos cujos contratos não expiraram. E também dois livros que Lygia se comprometeu a entregar, Passaporte para a China (crônicas escritas durante a visita àquele país, em 1964) e o infanto-juvenil Gatos, Cachorros e Outros Bichos. "Ela, no entanto, continua em plena atividade e já confidenciou que vem escrevendo algo novo, o que vai coroar sua vinda à editora", comemora Schwarcz. OBRA DE JORGE AMADO GANHA NOVO FÔLEGO INTERNACIONAL A obra de Jorge Amado, reeditada pela Companhia das Letras desde março de 2008, alcança nova etapa. Dez capitais brasileiras vão receber, neste ano, workshops sobre a escrita do autor, além de capacitação de professores da rede pública. Ao mesmo tempo, começa o processo de relançamento mundial dos títulos de Jorge Amado - até 2012, quando será celebrado o centenário de seu nascimento, seus livros terão voltado à Espanha, França, Alemanha, além de diversos países da Europa Oriental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.