Nouvelle vague portuguesa dos anos 60

Manoel de Oliveira iniciou sua carreira em 1931, com o curta Douro Fluvial. Em Cannes, em maio, ele recebeu uma Palma de Ouro especial, comemorativa do seu 100º aniversário. Nos anos 60, ele se integrou ao que ficou conhecido como ''novo cinema português'' com Acto de Primavera. O CCBB inicia hoje uma programação intitulada Os Verdes Anos, sobre a nouvelle vague do cinema português daquela época. Vai até dia 17 exibindo 16 filmes. Além do de Oliveira, são destaques Vereda, de João César Monteiro; Dom Roberto, de Ernesto de Souza; e O Cerco, de Antônio de Cunha Filho.

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

30 de julho de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.