No último artigo, os percalços amazônicos

Em 15 agosto de 1909, na véspera deste artigo, Euclides tombava morto, aos 43 anos. Ao regressar ao Rio depois dos 13 meses de ausência, absorvidos pela expedição ao Alto Purus, encontrara sua esposa grávida do cadete Dilermando de Assis. Entre marchas e contramarchas, a intriga se arrastaria por bom tempo. Até que, reagindo ao abandono em que D. Saninha o deixara, Euclides, com um revólver na mão, decide buscá-la. Entrou na casa de Dilermando disparando, antes de cair baleado. Seu adversário, preso e mais tarde julgado, seria absolvido por legítima defesa.A consternação do País foi geral, ante a perda de um de seus mais ilustres cidadãos. O jornal, que o considerava prata da casa, prestou-lhe a homenagem de estampar, exatamente cem anos atrás, em 16 de agosto de 1909, este último artigo, entremeado ao necrológio e às notícias das circunstâncias que presidiram a seu inesperado falecimento.Mas não se restringiria a uma única homenagem. Ao longo do século que decorreria a seguir, de muitas maneiras o Estado honraria a memória daquele que era um dos seus, procedendo a análises e solicitando testemunhos. Entre estes, ressalta a transcrição da longa conferência pronunciada por Oliveira Lima em 1911, recheada de fragmentos epistolares da maior relevância, em que o diplomata celebrava a amizade que os unira. Volta e meia, o jornal divulgaria cartas e reimprimiria artigos de Euclides. Assinalam-se comemorações mais amplas, com estudos de intelectuais de peso e figuras públicas, especialmente nos jubileus de 25, 50, 75 e agora 100 anos. Foi-se constituindo um acervo de vulto, o qual, agregando-se às numerosas colaborações do escritor desde que estreara aos 22 anos, veio a erigir o arquivo deste jornal em etapa iniciática para qualquer pesquisador.O presente artigo é uma reminiscência daquilo que fora uma das maiores aventuras de Euclides, que aqui passa em revista os percalços da jornada à Amazônia. Como tudo o que vem de sua pena, a lembrança revela o vigor da evocação literária. Neste texto, temos um vislumbre em primeira mão daquilo que foi um dos lances cruciais tanto de sua existência quanto de suas andanças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.