Nelson Freire, Fábio Cury, Michael Collins: desfile de virtuoses

Terceiro fim de semana de programação mostra que, ao menos no palco, não há paradoxos entre o simples e o complexo

João Luiz Sampaio, O Estadao de S.Paulo

23 de julho de 2008 | 00h00

Simplicidade e complexidade, ao menos na música, podem andar juntas sem grandes paradoxos. Ainda mais pelas mãos de grandes virtuoses, que marcaram a programação do terceiro fim de semana do Festival de Inverno de Campos do Jordão. Com o tumulto político deixado de lado, pelo menos parte dele, após o secretário João Sayad confirmar a permanência do maestro Roberto Minczuk à frente do evento, sobrou enfim espaço para a música.Começou na sexta-feira. Em seu primeiro concerto, a Orquestra Acadêmica, formada por professores e alunos do festival, estreou Olhos de Capitu, peça muito sensível do compositor João Guilherme Ripper, que articula de maneira interessante o texto de Dom Casmurro com uma investigação ficcional sobre o processo de criação dessa figura mítica da literatura brasileira, transformando Machado de Assis em personagem perante o aparecimento dessa mulher misteriosa e fugidia.Em um programa pesado, que começou com Romeu e Julieta de Prokofiev e terminou com a Sinfonia nº 9 de Shostakovich, os escorregões da orquestra recém-formada são compreensíveis. Mas houve momentos de beleza - em especial o solo em que o fagote de Fábio Cury sugere toda a ironia e o desencanto que Shostakovich esconde em sua sinfonia, um divertimento para orquestra que não exclui o sarcasmo perante um regime político que celebrava a vitória na Segunda Guerra, ao mesmo tempo em que promovia perseguições dentro de seu território.No sábado, o pôr-do-sol no Palácio Boa Vista foi cenário do encontro do clarinetista Michael Collins e o pianista John Snijders. Collins é estrela de seu instrumento na Europa - e, aliada à técnica precisa, sua compreensão musical da seleção de peças de Poulenc, Debussy e Messager, mostrou por quê. O encantamento, no entanto, se deu com o trabalho de Snijders, fazendo o piano dialogar de maneira muito inteligente com o clarinete.E então, na noite de sábado, subia ao palco Nelson Freire para inaugurar o novo piano do Auditório Claudio Santoro, que ele mesmo escolheu em Hamburgo. Freire estava inspirado. Mudou o programa, trocou o Bach da primeira parte pela Sonata em Lá Maior KV 331, de Mozart, e a Sonata Op. 110, de Beethoven. Na segunda parte, Liszt, prelúdios de Debussy e a Sonata em Si Menor Op.58, de Chopin. A simplicidade aparente da escrita mozartiana; a intrincada relações de idéias musicais propostas por Beethoven; os ambientes sonoros de Debussy. Freire vai de um aspecto a outro da literatura pianística e, no final, tudo soa como ele, que consegue transformar até mesmo os mais conhecidos pilares do repertório em novidade perante nossos ouvidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.