Narrativas curtas sobre a crueldade humana

Contos HediondosGlauco MattosoDemônio Negro96 págs., R$ 20 Ao comentar a coletânea de poemas Panaceia, o jornalista, poeta e escritor Álvaro Alves de Faria assinalou, em texto publicado no Caderno de Sábado, do Jornal da Tarde: "Este não é poeta tecnocrata, nunca será - é um poeta da palavra, que faz de sua série de sonetos uma absoluta lição de poema e de poesia. Ele é um poeta à parte na atual poesia do Brasil. Bem distante dos elogios gratuitos, Glauco vai construindo sua obra com a seriedade de um monge condenado à morte. Não há tempo para futilidades." Símbolo da literatura marginal brasileira, Mattoso agora publica pelo selo independente Demônio Negro uma coletânea de oito narrativas curtas e contundentes "sobre a crueldade humana".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.