''Não ter estilo, para mim, é elogio''

Isay Weinfeld lança no sábado livro que evidencia a diversidade de seus projetos residenciais criados nos últimos dez anos

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

27 de novembro de 2008 | 00h00

O arquiteto Isay Weinfeld é um homem de poucas palavras. Quando a editora Bei lhe pediu um texto sobre seu próprio trabalho, para figurar no livro que preparava sobre projetos residenciais realizados pelo arquiteto nos últimos dez anos, Weinfeld não poderia fazer diferente: preferiu colocar no fim da edição, em uma página branca, apenas a seguinte inscrição: "Tive enorme prazer em projetar estas casas. Até onde sei, os proprietários estão felizes nelas. Isto não é pouco. Isto já me basta." A passagem ilustra muito bem o perfil desse arquiteto paulistano de 56 anos, que tem como lema simples a máxima do "falar pouco e fazer bastante." "É algo que me incomoda profundamente essa velha história de você explicar o seu trabalho. Acho que não há muita necessidade de elucubrações teóricas a respeito", afirma. Por isso, o livro Isay Weinfeld, que será lançado neste sábado, na Livraria da Vila do Shopping Cidade Jardim - projetada por ele -, espelha, numa edição abrangente, direta e completa ao mesmo tempo, os pensamentos desse arquiteto: é por meio de uma porta visual, com muitas imagens (mais de 200 fotografias) e desenhos; concisos textos sobre cada obra e da apresentação assinada pelo jornalista e arquiteto norte-americano Raul A. Barreneche, que adentramos, detalhadamente, em 15 projetos residenciais realizados pelo paulistano entre 1998 e 2007 em São Paulo, Brasília, no Guarujá e Campinas (Fazenda Três Pedras). Veja galeria de fotosCom uma trajetória de mais de 35 anos, com realização de projetos de todos os tipos - casas, edifícios, a discoteca Disco, Hotel Fasano, lojas (como da Forum e Clube Chocolate), as galerias Luisa Strina e Marília Razuk, para citar alguns exemplos -, a preferência de Weinfeld de apresentar de uma maneira mais extensa, primeiramente, seus projetos residenciais. "Se colocasse tudo em um único livro, ficaria muito tímido", diz o arquiteto, que pretende, depois, lançar uma edição apenas com sua criação no ramo comercial. Mas é bom frisar que Weinfeld não faz distinção de importância para cada um dos gêneros da arquitetura. "Uma das coisas que eu espero que este livro mostre é a diversidade, o fato de uma casa ser diferente da outra. Essa, acho, sem nenhuma pretensão, é a marca mais importante do que faço. E se você quer que eu fale de uma maneira mais contundente, acredito que as pessoas que acham o seu estilo estão no começo da decadência, em qualquer área. Não ter estilo, para mim, é elogio", diz o arquiteto, preocupado em nunca deixar perder o prazer de travar qualquer desafio. "Logo depois que fiz o restaurante Fasano, o mais requintado de São Paulo, fui chamado para fazer o projeto do McDonald?s. Isso me deixou muito feliz, porque as pessoas entenderam que eu posso fazer as duas coisas. Essa é a graça."Criador eclético, com uma carreira que passa também por outras áreas, como cinema (fez documentários e o longa-metragem Fogo e Paixão), teatro, exposições, música, quando ele fala que a diversidade é o que mais preza, essa é apenas uma qualidade intrínseca e natural na sua criação e visão de mundo. "Gosto de torresmo e de trufa", diz de forma bem-humorada uma lista de referências culturais que vai da artista Mira Schendel à banda Radiohead - mas, da arquitetura brasileira, afirma não ter a de nenhum criador nacional.A forma da caixa, que "pode virar tanta coisa, é algo mágico", prevalece em muitas de suas casas, mas ela ganha beleza e diversidade na criação de Weinfeld. "Há uma relação com o tempo, é uma arquitetura que vai surgindo", ele descreve - são como planos de um filme que vamos adentrando aos poucos e nos surpreendendo. Seu trabalho não é de uma frieza contemporânea, pelo contrário. "Tento que as casas sejam, sobretudo, gostosas mais do que bonitas. É mais por aí do que beleza pura", afirma. ServiçoIsay Weinfeld. De Raul A. Barreneche. Editora Bei. 336 págs., R$ 160. Livraria da Vila. Av. Magalhães de Castro, 12.000, tel. 3755-5811, Shopping Cidade Jardim. Lançamento no sábado, das 11 às 14 horas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.