''Não passamos de macacos que dispõem de tecnologia''

Diane Lane fala de Sem Vestígios, sobre assassinato e internet

Elaine Guerini, Santa Monica, O Estadao de S.Paulo

16 de julho de 2008 | 00h00

Aos 43 anos, Diane Lane não deve nada às colegas na faixa dos 20 ou 30 que predominam nas telas de Hollywood. Assim que ela pisa na suíte do hotel Casa Del Mar, em Santa Monica, a atriz irradia beleza e frescor, além de exibir a mesma silhueta da garota que estreou no cinema, aos 14 anos, contracenando com Laurence Olivier em Um Pequeno Romance (1979). Mas nada nessa nova-iorquina de jeito discreto e olhar sereno sugere uma obsessão pela aparência - tão comum entre as celebridades. Do contrário, ela não teria rodado Sem Vestígios, em que sua personagem ganha olheiras e um semblante cansado ao longo do filme, deixando-a cada vez menos atraente.''Nunca deixei a vaidade guiar as minhas escolhas'', conta a atriz, escalada para viver uma agente do FBI especializada em crimes pela internet. ''Uma mulher à caça de serial killer que incita o internauta a participar de seus crimes não tem tempo para se embonecar. Seria ridículo fazer dela uma versão feminina de Miami Vice.'' Para filmar o thriller - um lançamento exclusivo em DVD, disponível a partir de hoje -, Diane usou o mínimo de maquiagem e cuidou pessoalmente do guarda-roupa. ''Quando a figurinista aparecia com Armani, mandava ela comprar na JC Penney'''', diz, referindo-se à popular loja de departamentos, dos Estados Unidos.A atriz queria evitar ''qualquer distração'' que pudesse tirar o foco da trama, bastante perturbadora. Não bastasse a mente doentia do assassino, que escolhe as formas mais cruéis para matar, quanto maior o número de acessos em seu site, mais rápido as vítimas morrem. ''O que mais incomoda a platéia é saber que isso pode acontecer.'''' Diane admite que há cenas difíceis de acompanhar no filme de Gregory Hoblit, como a da vítima exposta a um calor tão intenso que faz a sua pele estourar. Literalmente. ''Se fosse a diretora, não seria tão explícita. Escolheria uma metáfora para abordar a natureza obscura do homem. Mas é verdade que não passamos de macacos que dispõem de muita tecnologia.''''Seu próximo filme, porém, retoma a vocação de Diane para encarnar heroínas românticas - como em Procura-se Um Amor - Que Goste de Cachorros (2005) e Sob o Sol da Toscana (2003). Em Nights in Rodanthe, filmado recentemente, ela volta para os braços de Richard Gere, com quem contracenou em Infidelidade (2002), drama que lhe garantiu uma indicação para o Oscar. ''O público quer nos ver juntos de novo. Então, quem sou eu para contrariá-lo?''Diane confessa que também gostaria de dividir a cena com o marido, o ator Josh Broslin, cuja carreira ganhou novo fôlego com a consagração de Onde os Fracos Não Têm Vez, no Oscar deste ano. Mas ela não garante o resultado. ''Acabaríamos rindo muito e trabalhando pouco. Na certa, seríamos despedidos.''Serviço Sem Vestígios. Direção de Gregory Hoblit. Lançamento Sony . Apenas para locaçãoNas Prateleiras BECKET - Edward Anhalt ganhou o Oscar pela adaptação da peça de Jean Anouilh, mas o destaque do filme de Peter Glenville (Paramount) é o duelo entre Peter O?Toole e Richard Burton, como o rei Henrique II e o arcebispo da Cantuária. John Gielgud também está no elenco. OS INCONFIDENTES - A Videofilmes recupera o clássico de Joaquim Pedro, que se baseou nos Autos da Devassa e no Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, para desmistificar a saga de Tiradentes. José Wilker faz o papel e a versão restaurada é deslumbrante. NO VALE DAS SOMBRAS - Roteirista e diretor do premiado Crash - No Limite, Paul Haggis conta aqui a história de pai que tenta descobrir o que houve com seu filho, na Guerra do Iraque. O filme é da Paris e o que faz a diferença é o elenco, com Tommy Lee Jones e Charlize Theron. O PADRE E A MOÇA - Outro clássico de Joaquim Pedro que foi restaurado e saiu em DVD pela Videofilmes. Integra a mostra A Mulher do Bandido, em homenagem à atriz Helena Ignez, no CineSesc. Paulo José faz o padre apaixonado e o filme baseia-se no poema de Drummond.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.