Na tela do cinema, uma maravilha de cenário

Em O Rio no Cinema, Antonio Rodrigues lista filmes dos últimos 80 anos, brasileiros ou não, ambientados no Rio de Janeiro

Roberta Pennafort, Rio, O Estadao de S.Paulo

02 de abril de 2008 | 00h00

De Voando Para o Rio (1933) a Tropa de Elite (2007), o Rio de Janeiro, tido como uma das cidades mais cinematográficas do mundo (como Paris e Nova York), sempre esteve na mira dos cineastas. O crítico Antonio Rodrigues estima em cerca de 300 os filmes nacionais e estrangeiros que já tiveram a cidade como cenário. Setenta e três deles, considerados mais significativos, foram incluídos no livro O Rio no Cinema (Editora Nova Fronteira), a ser lançado hoje.O primeiro de que se tem notícia é de 1927:The Girl From Rio, de Tom Terriss, que narra a história de Lola, uma dançarina de cabaré sustentada por um brasileiro riquíssimo. Foi em 33, no entanto, com o musical Voando para o Rio, com Ginger Rogers e Fred Astaire, que a cidade se tornou "um autêntico co-protagonista", diz o livro. Hitchcock ambientou aqui Interlúdio (1946), com Ingrid Bergman e Cary Grant - apesar de os astros nunca terem pisado em solo carioca (o diretor usou o sistema de backprojection.)De lá para cá, a lista só cresceu. Nos anos 50 e 60, a imagem de paraíso tropical começou a mudar. Vieram filmes como Rio 40 Graus e Rio Zona Norte, de Nelson Pereira dos Santos, e Orfeu do Carnaval (Marcel Camus) - talvez o mais célebre internacionalmente. Em 79, 007 Contra o Foguete da Morte fez o bondinho do Pão de Açúcar famoso no mundo todo. Na última década, com longas como Cidade de Deus e Tropa de Elite, os diretores voltaram-se às favelas.Rodrigues listou títulos que falam do Rio idílico - por vezes, rota de fuga de criminosos - ao degradado. "A cidade mudou e o cinema espelhou isso", explica, lembrando as paisagens e prédios mais retratados: Copacabana, Ipanema, o Pão de Açúcar, o hotel Copacabana Palace, o Palácio Gustavo Capanema, no centro, os Arcos da Lapa.Ele concluiu que o Rio do cinema não é o Rio real - mas que cidade o é, quando vista na telona? "Todas as cidades são mitificadas. O Rio é cenário sempre porque tem uma paisagem marcante, original e bonita. Você não confunde com nenhuma outra."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.