Mutantes da Globo

Tramas apostam em sobrenatural

, O Estadao de S.Paulo

14 Março 2009 | 00h00

Personagens que se teletransportam, voam, têm premonições... Sei. São os mutantes da Record? Não, são os mutantes da Globo. Em busca de um público jovem, as tramas da emissora andam recorrendo ao sobrenatural. Em Negócio da China - que chegou ao fim esta semana -, além de jovens com superpoderes, os personagens eram transportados para um universo paralelo, como em Matrix. Já em Três Irmãs, a família de Dora (Cláudia Abreu), que começou aparentemente normal, logo passou a se teletransportar. A mutante da vez é Alma, vivida por Giovanni Antonelli. Inspiração na concorrência? Miguel Falabella, autor de Negócio da China, e Antônio Calmon, de Três Irmãs, garantem que não. "Essa inspiração para o universo paralelo veio da minha imaginação", diz Falabella. "Todas as minhas novelas namoram o realismo fantástico", explica Calmon. "Não foi feita nenhuma pesquisa, mas sei, por experiência, que o esse tipo de inserção fantástica agrada ao público. Não é à toa que Roque Santeiro fez tanto sucesso", completa ele. Criador de Vamp e de O Beijo do Vampiro, Calmon quer apostar mais no realismo fantástico, completando a trilogia com outra trama sobre vampiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.