Celine Jankowiak / AFP
Celine Jankowiak / AFP

Museus de Viena migram para o OnlyFans para contornar censura nas redes sociais

Plataforma é conhecida por permitir a publicação de conteúdo erótico e pornográfico

Anne Beade, AFP

21 de outubro de 2021 | 15h53

Vênus paleolítica, nus de Egon Schiele ou telas de Modigliani, censuradas nas redes sociais. Estas obras para maiores de 18 anos de museus vienenses estão agora encontrando uma segunda vida na plataforma OnlyFans, conhecida por seu conteúdo sexualmente explícito. É um movimento engenhoso do conselho de turismo da capital austríaca, que coordenou a iniciativa, para "abrir o debate sobre o papel dos algoritmos e gigantes tecnológicos na arte", disse o diretor do centro, Norbert Kettner, à AFP.

Lançada em setembro, a conta atraiu várias centenas de assinantes graças à recente divulgação da mídia, embora esta ousadia "audaciosa" tenha como objetivo acima de tudo defender a "liberdade artística". A idéia, diz Kettner, nasceu das "dificuldades" encontradas pelos museus "em seu trabalho de promoção nas redes sociais", por causa de suas políticas muito rígidas sobre a nudez e a luta contra a pornografia.

Por exemplo, a Vênus de Willendorf, uma estatueta de uma mulher nua e peituda em exposição no Museu de História Natural. "É uma figura simbólica de fertilidade com quase 30.000 anos" e considerada uma obra-prima da arte paleolítica. No entanto, "o Facebook o classificou como conteúdo pornográfico", exclama Kettner.  "É estranho e até ridículo que hoje em dia a nudez ainda seja motivo de controvérsia, quando deveria ser natural", acrescenta Klaus Pokorny, porta-voz do Museu Leopold. As representações eróticas de Schiele são frequentemente censuradas nas redes sociais, como se nada tivesse mudado cem anos após a morte deste grande pintor modernista vienense que causou um escândalo.

Em outro local popular em Viena, o museu Albertina, pinturas do artista italiano Amedeo Modigliani são consideradas muito explícitas. "Isso nos obriga a abrir uma conta no OnlyFans", insiste Pokorny, já que "as plataformas internacionais mais famosas como TikTok, Facebook ou Instagram não aceitam nossas pinturas".

Thomas Schlesser, autor de um livro intitulado Art in the face of censorship, julga "a iniciativa como bastante inteligente". "Ao passar para a rede social OnlyFans, os trabalhos assumem o caráter provocador e até pornográfico que podem ter tido na época", diz o historiador de arte e diretor da Fundação Hartung-Bergman.

A questão vai além da arte clássica, acrescenta o chefe do Escritório de Turismo, que observa uma "auto-censura inconsciente de muitos jovens criadores", que não podem se privar da visibilidade oferecida pelo Facebook e outras plataformas. 

Estes últimos, frequentemente criticados pela remoção automática de imagens, afirmam que suas regras evoluíram e são mais "matizadas" para fazer exceções à nudez no caso, por exemplo, da arte. "Eles disseram ter feito um esforço", diz Olivier Ertzscheid, professor e pesquisador em ciências da informação na Universidade de Nantes. "Mas a realidade é que quando se trata da representação de corpos (especialmente femininos), nada realmente mudou, seja em forma de arte ou não", assinala Ertzscheid, referindo-se a uma "espécie de prudência ou marketing prudente".

Contatado pela AFP, o Facebook não respondeu imediatamente. 

Enquanto isso, Kettner espera que haja conversas sobre o assunto para avançar, mas até agora não houve nenhuma aproximação. Além disso, ele prontamente abraça a associação da cidade com o site OnlyFans, que se estabeleceu como um importante destino para os criadores de conteúdo erótico ou pornográfico pago. 

Em busca de uma imagem mais respeitável, a plataforma com 150 milhões de usuários agora se concentra em vídeos de receitas de culinária, dicas de fitness ou saúde. "Não é uma questão de nosso sucesso nas mídias sociais, é uma questão de princípio", resume Pokorny. "É como uma guerra com outros meios de comunicação; lutamos por nossos direitos, nossa liberdade, contra pessoas que querem regular nossas vidas", conclui o porta-voz do Museu Leopold.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.