Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
REUTERS/Charles Platiau
REUTERS/Charles Platiau

Museus de Paris se preparam para receber visitantes após interdições da covid

Museu de Orsay chega a receber cerca de 15 mil visitantes por dia, mas por ora o limite será de 5 mil para garantir a manutenção de uma distância segura

Manuel Ausloos, Reuters

17 de maio de 2021 | 17h50

PARIS - No Museu de Orsay de Paris, funcionários penduravam uma pintura inestimável de Renoir nesta segunda-feira em meio aos preparativos para a reabertura depois de seis meses sem visitantes por causa da pandemia de covid-19.



A obra é um de muitos artefatos do museu que foram armazenados durante o lockdown para protegê-los dos efeitos do pó e da luz solar e que agora estão voltando a ser expostos à espera da abertura das portas na quarta-feira.

O museu nas margens do Rio Sena vibrava com as atividades desta segunda-feira, quando empregados levavam obras de arte dos arquivos para as galerias públicas e retiravam capas de proteção de mostruários de vidro que contêm tesouros raros.

"Abrimos a bilheteria alguns dias atrás, e parece que o público realmente quer voltar. E é melhor assim, porque sentimos falta dele", disse Laurence Des Cars, diretora do museu.

"Nossa missão é receber o público e lhe oferecer, da melhor maneira possível, um contato direto com as obras de arte depois de todos estes meses de computadores e telas", disse ela.

O governo francês fechou museus e outras atrações culturais no final de outubro para conter a disseminação da covid-19, e agora está permitindo que eles reabram por ver as taxas do vírus começarem a cair - mas as restrições continuam em vigor.

Normalmente, o Museu de Orsay chega a receber cerca de 15 mil visitantes por dia, mas por ora o limite será de 5 mil para garantir a manutenção de uma distância segura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.