FELIPE RAU/ESTADAO
FELIPE RAU/ESTADAO

Museu da Língua Portuguesa defende o debate do uso de linguagem neutra, após críticas

Em uma publicação no Twitter, instituição usou a palavra 'todes'

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2021 | 08h52

Um post publicado no dia 12 pelo Museu da Língua Portuguesa em sua conta no Twitter provocou uma discussão sobre a aceitação de novos termos. No post, o museu, que reabre no dia  31 de julho, trata do uso da vírgula que, apesar de representar "uma pausa ligeira, respiro", é também "um chamamento para todas, todos e todes os falantes, ou não, do nosso idioma".

O uso da palavra "todes", nova forma neutra de gênero gramatical sem definição de gênero (masculino e feminino) e que permite a inclusão de pessoas não-binárias, provocou muitas críticas.

"Mudança em idioma tem que ser uma coisa natural e orgânica, não pode ser imposta e forçada", escreveu uma usuária. "Talvez um dia esse 'todes' será incorporado naturalmente, mas hoje é só gíria de uma bolha. Hoje 'todes' não existe no nosso idioma." Já outra completou:"O uso de  'Todos' assim como 'Pessoas' não faz exclusão".

Houve quem apoiasse a iniciativa: "muito feliz por uma instituição tão importante e necessária reconhecer a necessidade de inclusão regional, cultural e de gênero pela língua", escreveu um usuário.

Sobre o assunto, a instituição declarou, em comunicado: "Desde sua fundação, em 2006, o Museu da Língua Portuguesa se propôs a ser um espaço para a discussão do idioma, suas variações e mudanças incorporadas ao longo do tempo. Sempre na perspectiva de valorizar os falares do cotidiano e observar como eles se relacionam com aspectos socioculturais, sem a pretensão de atuar como instância normatizadora. Nesse sentido, o Museu está aberto a debater todas as questões relacionadas à língua portuguesa, incluindo a linguagem neutra, cuja discussão toca aspectos importantes sobre cidadania, inclusão e diversidade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.