Gerry Penny/ EFE
Gerry Penny/ EFE

Mural de Banksy sobre Brexit aparece na cidade inglesa de Dover

Seus representantes confirmaram a autenticidade da obra

EFE

08 Maio 2017 | 16h10

Seus representantes confirmaram nesta segunda, 8, a autenticidade da obra, que mostra um trabalhador em uma escada sobre a qual trata de eliminar com um martelo uma das estrelas douradas da bandeira azul comunitária.

O mural pode ser visto na fachada do edifício Castle Amusements de Dover, situado junto ao terminal do ferryboat que une o Reino Unido com a França pelo Canal da Mancha, ao sul de Inglaterra.

Segundo os meios britânicos, as estrelas da União Europeia representam os "ideais de unidade, solidariedade e harmonia entre os povos da Europa".

A estrela que o trabalhador tira na obra de Banksy corresponde ao Reino Unido, cuja primeira-ministra, a conservadora Theresa May, iniciou um complicado processo negociador com seus parceiros comunitários para estabelecer os termos desta separação.

Desde o referendo sobre o Brexit de 23 de junho, Banksy, comprometido com diferentes causas através de sua arte, tinha permanecido em silêncio, mas esta manifestação ocorre em um momento de aumento das tensões entre Londres e Bruxelas.

A questão da saída de Reino Unido também se tornou o tema central das eleições gerais antecipadas convocadas por May para 8 de junho, nas quais parte como grande favorita para se manter à frente do Governo britânico.

A escolha de Dover por Banksy não parece casual, pois além de olhar diretamente ao continente europeu, conecta seus ferrys com a localidade francesa de Calais, onde o artista já pintou um mural em seu campo de refugiados em 2015.

Aquela obra mostrava o fundador de Apple, o falecido Steve Jobs, já que seu pai biológico tinha sido um imigrante sírio.

Um ano depois, Bansky voltou a se pronunciar sobre este tema com outro mural na embaixada francesa em Londres, com o qual denunciou o uso de gases lacrimogêneos contra os refugiados do campo de Calais.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.