Mundo do samba chora a morte de Tia Doca, pastora da Portela

A integrante da Velha Guarda da Portela Jilçária Cruz Costa, de 76 anos, conhecida como Tia Doca (foto), morreu na tarde de domingo no Hospital do Iaserj, no centro do Rio. Ela havia sofrido um acidente vascular cerebral no dia 17 e desde então estava internada. Na quarta-feira, havia recebido alta do CTI, e seu quadro de saúde era estável. Domingo à tarde, entretanto, sofreu um enfarte. Tia Doca era uma das pastoras da Portela - vozes femininas do samba, que puxam enredos. Foi também criadora de um dos mais importantes pagodes, o Terreirão da Tia Doca, em Madureira, onde o menino Zeca Pagodinho descobriu, aos 17 anos, sua vocação. O repertório da tradicional roda de samba virou CD em 2000. Tia Doca foi tecelã, empregada doméstica e chegou a vender sopa para se sustentar. Gravou com Beth Carvalho, Zeca Pagodinho e Marisa Monte, que produziu o documentário O Mistério do Samba, no ano passado, que tinha Tia Doca como uma das personagens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.