Mulher de punk cigano estuda grupos brasileiros

Antropóloga Diana Budur, parceira do líder do Gogol Bordello, elabora tese sobre comunidades no País

Jotabê Medeiros, O Estadao de S.Paulo

03 de junho de 2009 | 00h00

Maior expressão do pop rock cigano da atualidade, responsável por fundir a tradição punk com a música folclórica do Leste Europeu no grupo Gogol Bordello, o cigano ucraniano Eugene Hütz mudou-se de mala e cuia para o Rio de Janeiro no ano passado. E movimenta festas disputadas na cidade - a Ciganomania, no Cine Lapa, e a Balkán Nights.O motivo que trouxe Hütz ao Brasil atende pelo nome de Diana Budur, sua namorada antropóloga, romena que faz um trabalho de levantamento dos grupos ciganos no País há quase dois anos. "O trabalho dela é paciente e minucioso. Há ciganos por todo o Brasil, de diferentes origens, com diferentes tradições. Mas não é fácil, são milhares e vai demorar um tempo ainda para chegar a uma radiografia mais precisa", disse Hütz.Nascida em Braila, no Leste da Romênia, perto do delta do Rio Danúbio, Diana Budur estudou em Chicago e cursou a Stanford University até 2004, graduando-se em biologia humana. Também tem uma trajetória como atriz, tendo participado de montagens de O Tartufo, de Molière, e Andrômaco, de Racine.Mais tarde, graduou-se em antropologia pela Princeton University, especializando-se em estudos étnicos. Também milita eventualmente no Gogol Bordello, dançando e cantando. Juntos, ela e Hütz criaram o duo Mititika, inspirado, segundo descrição de Hütz, "na maior parte ao vivo, e talvez para nunca ser lançado em disco (porque tudo tem de ser lançado?)".O Mititika nasceu já no Rio de Janeiro, onde o casal comprou um apartamento (no Leblon). Diana canta e Hütz pilota os eletrônicos, e o som é inspirado pelo "fenômeno folclórico ucraniano chamado Kolomyika" e pelo "quebra-joelho do folk romeno" e também pelo "frevo e pelo baile funk brasileiro".Eugene Hütz, ator do filme de estreia de Madonna, Filth and Wisdom, é um defensor da transposição da filosofia de vida cigana para a vida artística. "Nós somos uma banda de rock que mostra ao mundo a mina de ouro que é a música cigana. Há muitos ciganos no rock system, como Ron Wood, dos Rolling Stones. Mas ele não traduz o modo de vida cigano. Se você souber apreciar esse estilo, vai ser uma grande fonte de alegria para você em sua vida", diz ele.O Gogol Bordello se apresentou com grande impacto no TIM Festival do ano passado, show no qual Hütz chegou até a cantar Morena Tropicana, de Alceu Valença. Uma das expressões culturais que mais o tem impressionado no Brasil é o frevo pernambucano. Ontem, a banda se apresentou no Royal Oak Music Theatre, em Royal Oak, Michigan, Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.