Muito além da questão racial

Hoje, Dia da Consciência Negra, o Museu Afro Brasil realiza uma série de eventos para comemorar seus quatro anos: inaugura as exposições Brasil Terra de Contrastes e Walter Firmo em Preto-e-Branco, promove lançamentos de livros e apresentações da performance Eu Conheci Benny Moré, por Félix Contreras, e show da cantora Áurea Martins.Mas é bom que se fale que o Museu Afro Brasil, como afirma seu diretor, curador e idealizador, Emanoel Araújo, "vai além das questões raciais", recusando o encarceramento da questão da cultura negra em "um gueto". O Afro Brasil não é museu do negro, mas instituição "de arte e não de antropologia" que "privilegia a invenção brasileira", diz Araújo - é dentro de um panorama amplo sobre cultura brasileira que ela trabalha, abarcando miscigenação, raízes africanas e contemporaneidade. Brasil Terra de Contrastes sintetiza o espectro desse conceito ao colocar, ao mesmo tempo, no mesmo espaço, numa visão "frontal", obras dos mais diversos tipos - gravuras, fotografias, esculturas, objetos, tapeçarias - que perpassam o tema do descobrimento do País, a família real, a Amazônia, o índio, o barroco, a arte popular, as artes moderna e contemporânea (com trabalhos de uma elipse que pontua criações de Samico, Wega Neri, Célia Euvaldo, Brennand, Gerchman e Krajcberg, entre tantos outros) e a natureza e as manifestações populares no vídeo Via Brasil, de Sergio Bernardes. A mostra, inspirada em livro homônimo do antropólogo e sociólogo francês Roger Bastide, é uma visão e uma visita instigantes sobre o País e carrega em si, também, a marca do projeto de Araújo para a instituição: suas exposições, de longa duração (atualmente estão em cartaz nos 11 mil m² do museu oito mostras), têm forte caráter cenográfico para seduzir o visitante e se fazem, primordialmente, a partir da coleção do museu, iniciada pelo acervo do próprio Araújo. Hoje, já há cerca de 4 mil obras, contando com doações (poucas) e aquisições (a biblioteca abriga cerca de 4 mil volumes).Ao comemorar agora quatro anos, o Museu Afro Brasil, que recebe entre 16 e 18 mil visitantes por mês, está em pleno processo de transição para deixar de ser Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Osip), com recursos de manutenção pela Prefeitura de São Paulo (R$ 1,8 milhão por ano) para se tornar, a partir de 2009, uma Organização Social de Cultura (OS) com contrato de gestão com a Secretaria de Cultura do Estado - na segunda-feira o projeto será apresentado ao secretário João Sayad.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.