Nario Barbosa/DIVULGAÇÃO
Nario Barbosa/DIVULGAÇÃO

Mostra reúne 28 imagens de famosos e anônimos clicados por fotojornalistas

Na exposição Retratos no Fotojornalismo revela-se mais a interação dos repórteres fotográficos com os personagens de suas pautas

Camila Molina, O Estado de S. Paulo

13 Julho 2015 | 04h00

Pela luz, o retrato da blogueira e ativista Yoani Sánchez realizado por Vanessa Carvalho durante a visita da cubana a uma cela do extinto Departamento Estadual de Ordem Política e Social (Deops), em São Paulo, ganhou certo ar dramático – e belo. Já o retrato de José Mojica Marins, o Zé do Caixão, feito por Hélvio Romero, é um tanto “subjetivo” por destacar apenas a mão do cineasta a segurar um cigarro entre os dedos com suas longas unhas – e apenas atrás, em segundo plano, aparece o rosto do diretor em uma reprodução pictórica. A primeira imagem é de 2013, a segunda, de 2004, mas na exposição Retratos no Fotojornalismo revela-se mais a interação dos repórteres fotográficos com os personagens de suas pautas do que o dado factual de cada um dos 28 trabalhos expostos.

“Os fotógrafos produzem retratos que muitas vezes não são publicados ou que são usados com pouco destaque”, diz Nilton Fukuda, curador da mostra, que será inaugurada nesta segunda-feira, 13, no Senac Lapa Scipião. Diretor da Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos de São Paulo (Arfoc-SP) e fotojornalista do Estado, ele conta que a entidade, que já apresentou no início do ano a sua tradicional FotoRetrospectiva (com itinerância prevista para agosto, em Itu), promoveu também uma convocatória temática para que seus associados enviassem um retrato de sua escolha, sem prazo de realização. Dos cerca de 40 inscritos, 28 foram escolhidos para a atual exibição no Senac, em cartaz até 28 de julho. “Dá para ver coisas muito criativas, muitos modos de fotografar”, comenta Fukuda.

No campo da criatividade, o curador destaca, por exemplo, a maneira como o fotógrafo Sergio Castro explorou o jogo de espelho em seu retrato do reitor da USP, Marco Antonio Zago – sobre a mesa espelhada da sala do retratado transborda o céu representado no quadro que decora o local. O efeito conseguido nessa obra e as particularidades de outras fotografias da mostra ficarão ressaltadas, ainda, pela opção de expor as imagens – todas verticais, no formato mais clássico do “portrait”, tal qual era o pré-requisito para a convocatória –, separadamente e em ampliações de 80 cm X 120 cm.

É certo que, pelo tema proposto, prevalecem na mostra os trabalhos realizados com personalidades. “Hoje em dia, fazemos muito mais retratos para a área de economia, mas é para a área de cultura que saem os mais criativos”, considera Fukuda. Dos participantes, aparecem em preto e branco apenas o ator Lima Duarte (fotografado por Reinaldo Canato) e a atriz Elke Maravilha (por Gustavo Scatena). Celebridades de outras áreas estão presentes também e, dentre elas, o curador chama a atenção para a expressão de Pelé, fotografado frontalmente por Eduardo Nicolau em 2012 para especial do Estado por ocasião dos 70 anos do ex-jogador de futebol.


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.