Ivo Tavares Studio
Ivo Tavares Studio

Mostra em Portugal exibe obras do arquiteto brasileiro Fabio Penteado

Exposição parte de um acervo de 10 mil itens criado por sua filha

Mariana Barros, Especial para o Estado

11 de março de 2019 | 03h00

MATOSINHOS, PORTUGAL - Poucos arquitetos exprimiram de forma tão singular e intensa o sentido da palavra convivência como Fabio Penteado (1929-2011). Seus trabalhos assumem traços distintos para reafirmar a ideia de que uma cidade serve, acima de tudo, para permitir e facilitar o encontro entre as pessoas. O conceito veio muito antes do que se consolidou como uma tendência mundial, a de planejar espaços urbanos onde o ser humano é a medida de todas as coisas. Versátil, ele se destacou não apenas pela trajetória arquitetônica, mas também jornalística, política e acadêmica. Foi editor da revista Visão (1956-1962) e pioneiro na apresentação de um programa sobre arquitetura na TV aberta Excelsior (1961-1962). Integrou o Conselho Superior da União Internacional de Arquitetos (UIA), presidiu o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) e dirigiu a Fundação Bienal, quando liderou a realização da 2.ª Bienal de Arquitetura de São Paulo. 

Em todas as suas atividades, Penteado colocou a dimensão humana no epicentro de sua criação. A mostra Irradiações, inaugurada no último dia 23 e em cartaz até 26 de maio na Casa da Arquitectura, em Portugal, faz um feliz recorte ao apresentar projetos que convergem na forma e no conteúdo. O arquiteto, ensaísta, doutorando pela USP e curador da mostra Francesco Perrotta-Bosch selecionou cinco edificações radiais que, para além do traço, têm em comum o esforço de revelar as pessoas como elemento principal da obra arquitetônica, valorizando assim a cidadania, a participação popular e a integração do espaço público à cidade. 

O trunfo de Penteado é a produção de praças abertas que parecem querer se expandir até abarcar todo o urbano. É o que se vê no Fórum de Araras (1959), em que destaca o princípio da igualdade perante a Justiça, trocando a monumentalidade pela sociabilidade, como define a pesquisadora Mônica Junqueira de Camargo. O desenho previu uma grande cobertura unificadora – a estrutura radial é aplicada alguns anos depois e se repete em uma sequência de projetos, cujo exemplo mais celebrado é o Centro de Convivência Cultural de Campinas (1967-68), construído em sua cidade natal e cuja maquete se situa no centro da mostra. A expografia de Juliana Prado Godoy reforça a ideia de que tudo ali se irradia. Integram ainda a seleção o monumento da Playa Girón (1962), em Cuba, o Monumento Comemorativo aos Trinta Anos de Goiânia (1965), o Mercado do Portão (1965), em Curitiba, e o Teatro de Ópera (1966), em Campinas. Segundo a urbanista Elisabete França, ex-colega do arquiteto, Penteado experimentava novas formas para além da tradição modernista dominante, mas buscava acima de tudo dar uma resposta diferente ao desafio de relacionar edifício e espaço público.

Memória. Perrotta-Bosch, curador de Irradiações, é também curador do Arquivo Fabio Penteado. Trata-se de uma coleção de mais de 10 mil itens, entre desenhos, fotos, maquetes e cartas relacionados ao arquiteto e agora reunidos com o intuito de preservar e difundir sua trajetória, acessível a mais pesquisadores. O site (fabiopenteado.com.br) já está no ar e um espaço físico será inaugurado, ao mesmo tempo a coleção é digitalizada. A iniciativa partiu de sua filha, Adriana Moura Penteado, após ter sido procurada pela Casa da Arquitectura de Portugal, que buscava projetos do brasileiro para integrar seu acervo – entre eles, o do Centro de Convivência. 

Localizada em Matosinhos, cidade natal de Álvaro Siza Vieira, Pritzker em 1992, a Casa da Arquitectura se destaca por receber, tratar, arquivar e ainda exibir, através de exposições temporárias, documentos, plantas, desenhos e maquetes de alguns dos principais arquitetos portugueses e também brasileiros, entre eles Paulo Mendes da Rocha e Eduardo Souto de Moura, Pritzkers em 2006 e 2011, respectivamente. A instituição é presidida por José Manuel Dias da Fonseca, antes responsável pela Casa da Música do Porto, e dirigida pelo arquiteto Nuno Sampaio, que se tornou uma espécie de embaixador da arquitetura luso-brasileira ao coordenar a expansão do acervo e a concepção de mostras originais. Os ecos da Casa da Arquitectura já se fazem ouvir no Brasil. Assim como ocorreu com Fabio Penteado, o trabalho do centro deve impulsionar a criação de outros acervos de arquitetos brasileiros e nos inspirar a preservar e difundir uma produção que nos destaca mundialmente. 

Tudo o que sabemos sobre:
arquitetura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.