Reuters
Reuters

Mostra em Nova York expõe desenhos de Iggy Pop nu

O astro do rock posou nu para cerca de 20 estudantes de arte

Ansa Flash

12 Janeiro 2017 | 09h56

 Após posar nu para um grupo de artistas em 2016, o cantor norte-americano Iggy Pop terá seus desenhos expostos no Brooklyn Museum, em Nova York, até dia 26 de março de 2017.

A mostra intitulada "Iggy Pop Life Class", do artista Jeremy Dellerm, teve início no dia 4 de novembro de 2016, e retrata diversos ângulos do corpo nu do "padrinho do punk" como seus músculos, cicatrizes, asperezas e rugas Iggy Pop é considerado um dos corpos mais célebres e exibidos da história do rock.

* Iggy Pop posa nu e desenhos vão virar exposição em Nova York

Aos 69 anos, seu corpo magro, ambíguo, sensual, e principalmente cheio de linguagem há muito o que dizer ao público. Foi explorando essas características que o artista britânico Jeremy Deller convenceu o astro a posar para 22 estudantes de Arte, escolhidos em um concurso da escola "New York Academy of Arts" no dia 21 de fevereiro de 2016.

Inspirado nas letras de "Lust for life", "He's gonna do another striptease", escritas por seu amigo David Bowie - que se tornou um hino underground -, que Deller, há dez anos, havia tido a ideia de despir Iggy para uma classe de desenho. No entanto, o cantor negou o pedido porque "acreditava que era jovem demais".

Desenhar uma pessoa nua ao vivo é uma prática da época do Renascimento, porém apenas "corpos ideais" da escultura greco-romana eram tradicionalmente copiados.

Entretanto, o ex-James Newll Ostenberg - o verdadeiro nome de Iggy - está muito longe de ser uma beleza clássica. A sessão de Deller, vencedor de um prêmio Turner Prize, explora a mudança da representação da masculinidade através da história e de como essa equação se desfaz a partir da notoriedade de quem o retrata.

Os autores, entre eles um farmacêutico e um ex-militar, tinham de 18 a 80 anos e levaram cerca de quatro horas para fazerem 53 desenhos de Iggy Pop nu. (ANSA)

 

Mais conteúdo sobre:
Iggy PopArte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.