Morre a pianista Anna Stella Schic

Artista morava na França e é considerada a grande intérprete de Villa-Lobos

João Luiz Sampaio, O Estadao de S.Paulo

02 de fevereiro de 2009 | 00h00

Anna Stella Schic, a grande pianista brasileira, morreu ontem em Nice, na França, com 83 anos. O anúncio foi feito por sua filha, Sandra Lechartre, que não revelou a causa da morte. Anna Stella vivia na França desde 1971 e era viúva do compositor francês Michel Philippot, que morreu em 1996. Desde a morte do marido, Anna Stella havia deixado de tocar, informou a filha.Grande intérprete da obra de Villa-Lobos e uma das mais destacadas pianistas brasileiras do século 20, herdeira da tradição de Guiomar Novaes e Magda Tagliaferro, Anna Stella passou a maior parte da carreira radicada em Paris, desde que, nos anos 30, mudou-se para a França com uma bolsa de estudos patrocinada pelo governo Vargas. Em 1994, em entrevista ao Estado (leia ao lado), desabafou: "Fui esquecida no Brasil. Talvez seja minha culpa, mas o País me esqueceu." O fato, no entanto, é que sua trajetória jamais se apartou da música brasileira, em especial à produção de Villa-Lobos. "Ele foi um homem profundamente intuitivo e de grande sensibilidade ao som e à melodia", disse sobre o compositor.A importância de sua dedicação à obra de Villa-Lobos é múltipla - e, de certa forma, histórica. Foi ela a responsável, por exemplo, pela estreia mundial de seu Concerto para Piano e Orquestra nº 2. Além disso, estudou a quase totalidade das peças para piano do autor ao seu lado, registrando suas intenções no livro Villa-Lobos: O Índio Branco, lançado primeiro na França e, mais tarde, traduzido para o português. Nos anos 1970, um projeto monumental - após inúmeras viagens e pesquisas em acervos particulares e públicos, reuniu e gravou na França toda a obra do autor para o instrumento. Em 1981, o pacote ganhou edição brasileira pelo selo Eldorado.Resumir sua carreira a Villa-Lobos, porém, não seria justo. Em uma trajetória marcada por estudos na França e na Rússia e por apresentações ao lado de grandes orquestras mundo afora, Anna Stella Schic desenvolveu um gosto especial pela pesquisa. E, nesse sentido, trabalhou incansavelmente para reabilitar dois autores, Scarlatti e Mendelssohn. Uma espécie de síntese de seu trabalho pode ser encontrada no CD lançado no ano 2000, dentro da série Grandes Pianistas Brasileiros - nele, interpreta, de Villa-Lobos, trechos do Guia Prático Volume, além de Alma Brasileira e Ciclo Brasileiro; e, de Mendelssohn, oferece uma interpretação tocante da Sonata nº 1.Anna Stella Schic havia deixado pedido que seu corpo fosse cremado e suas cinzas trazidas para Campinas, sua cidade natal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.