Denise Andrade/ ESTADÃO
Denise Andrade/ ESTADÃO

Morre a artista plástica Amelia Toledo aos 90 anos

Ícones da contracultura brasileira, obras da artista estavam presentes em diversas das coleções mais importantes do Brasil

O Estado de S. Paulo

08 Novembro 2017 | 11h12

A artista plástica Amelia Toledo, ícone da contracultura brasileira, morreu aos 90 anos. A informação foi divulgada nas redes sociais pela sua filha, Ruth Toledo Altschuler. Segundo Ruth, Amelia morreu de morte natural, "em paz".

Amelia Amorim Toledo nasceu em São Paulo, em 1926. Escultora, pintora, desenhista e designer, teve trânsito com artistas como Anita Malfatti, Waldemar da Costa e Vilanova Artigas, e nos anos 1960 inicia uma carreira de professora na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie e na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) e também no Rio de Janeiro.

Adepta do construtivismo, faz sua obra se aproximar da arquitetura e realiza diversos trabalhos para espaços públicos, como o projeto cromático 1996/1998, para a estação Arcoverde do metrô do Rio. 

Segundo a Enciclopédia do Itaú Cultural, apresenta desde a década de 1970 uma produção baseada nas formas da natureza. "A paisagem também é uma constante, exemplificada em obras como Fatias de Horizonte (1996), na qual anteparos com chapas de aço recriam a ilusão visual da linha do horizonte, envolvendo questões como continuidade e descontinuidade."

Uma mostra celebrando seus 60 anos de carreira está em cartaz em São Paulo até o dia 8 de janeiro de 2018, no CCBB (R. Álvares Penteado, 112, Centro). Lembrei que Esqueci  tem curadoria de Marcus Lontra, e reúne 60 obras da artista, entre esculturas, peças de design, pinturas e desenhos. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.