Monólogo une ficção e realidade

Em Ele Precisa Começar, ator e autor Felipe Rocha compartilha com o público os delírios do processo de criação da escrita

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

06 de março de 2009 | 00h00

Durante uma excursão internacional com a Cia. dos Atores, do diretor Enrique Diaz, o ator Felipe Rocha decidiu utilizar bem seu tempo livre - em vez de passeios desinteressantes, preferiu realizar um desejo antigo e escrever uma peça. O resultado foi um monólogo, Ele Precisa Começar, que estreia hoje no Espaço Beta do Sesc Consolação, depois de uma temporada de sucesso no Rio.O enredo é engenhoso: um homem de 35 anos, fechado em um quarto de hotel, durante uma segunda-feira de folga, decide começar uma narrativa ficcional. Como não tem nada planejado, escolhe a si mesmo e ao seu quarto de hotel como ponto de partida para sua história. "Ou seja, é um ator que se dirige à plateia para informar que um dramaturgo logo vai escrever uma história a ser encenada por ele", conta Rocha. "Mas tudo o que ele conta como sendo um plano futuro já é interpretado no presente."A metalinguagem permite que o processo de criação seja compartilhado com a plateia. Mais: devoto de uma escrita delirante, Felipe Rocha, que interpreta o único papel, promove a mistura entre ficção e realidade, com o ator confundindo-se com o autor. "Aproveito as várias camadas da narrativa para tratar especialmente do teatro e o processo da imaginação", conta ele que, fiel à tradição do humor iconoclasta, permite que o texto una saltos de paraquedas e instalações de arte contemporânea, mafiosos romenos e super-heróis, canções românticas e estratégias performáticas de vanguarda.Quando trabalhava no texto, Rocha conta que não pensava em ser o intérprete. Mas, ao dividir a direção com Alex Cassal, percebeu que a dupla função seria benéfica. Afinal, o processo de ensaio permitia que o ator descobrisse os entraves do texto e propusesse a troca certa de verbos e substantivos, sem que o autor entrasse em depressão.Ele Precisa Começar é justamente a primeira frase dita pelo ator, iniciando uma viagem cujas intenções foram aprovadas pela maioria da plateia carioca. "O tom é intimista, convidativo, e pede uma aceitação plena do público", conta Rocha, já promissor como dramaturgo. ServiçoEle Precisa Começar. Sesc Consolação - Espaço Beta. R. Dr. Vila Nova, 245, tel. 3234- 3000. 5.ª e 6.ª, 21 horas. R$ 20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.