Mindlin ensina a cuidar da biblioteca

Ele e outros especialistas em restauro e digitalização de livros compartilham experiências de hoje a quinta na USP

, O Estadao de S.Paulo

16 de junho de 2009 | 00h00

Para apresentar o projeto digital da Brasiliana USP, será realizado de hoje até quinta-feira o seminário Mindlin 2009 - Livros, Leitura e Novas Tecnologias, encontro que vai compartilhar a experiência de especialistas estrangeiros e nacionais em conservação, restauro e digitalização de livros. Coordenado pelos historiadores István Jancsó e Pedro Puntoni, o evento ocorre no Museu de Arte Contemporânea da USP. A Brasiliana USP se origina com a doação da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, um dos acervos bibliográficos privados mais valiosos do País. A biblioteca, cuja construção está em curso, vai abrigar os 17 mil títulos de Mindlin, além da coleção da universidade. A inauguração será em julho de 2010. A versão online da Brasiliana pretende ampliar o acesso digital de instituições públicas e privadas brasileiras. Até o fim de 2010, serão digitalizadas 4 mil obras e 30 mil imagens. A intenção é que a pesquisa online seja integral: o interessado pode ver no computador todos os detalhes do livro e fazer buscas por palavras, frases ou até trechos.O seminário começa às 14 h de hoje, com homenagem a José Mindlin. Amanhã, as mesas iniciam às 10 h, com Daniel de Simone, diretor da Rare Books and Special Collections Division, da Library of Congress, em Washington. Ele conta a experiência de mais de 20 anos no trabalho com livros raros. Depois, Simone Bastos Vieira fala da atuação como diretora da Biblioteca do Senado Federal. Edson Gomi, coordenador do Laboratório de Engenharia de Conhecimento, expõe o aprendizado com a implementação do projeto Brasiliana USP.A restauradora Beatriz Haspo fala do seu trabalho na divisão de empréstimo e gerenciamento da Library of Congress. Cristina Antunes, curadora da Biblioteca Guita e José Mindlin desde 1980, narra a história dessa coleção particular de livros. Edward Widmer expõe o projeto de digitalização do acervo da John Carter Brown Library, da qual é diretor. Valéria Gauz, bibliotecária do Museu da República, discute se o documento impresso será um suporte definitivo com o avanço das tecnologias digitais.Quinta, às 10 h, Helena Simões Patrício debate os sistemas de informação da Biblioteca Nacional de Portugal. A historiadora Iris Kantor reflete sobre o futuro da coleção de Edmar Cid Ferreira sob a guarda do Instituto de Estudos Brasileiros. John Herbert fala da digitalização de mapas da Geography and Map Division, divisão da Library of Congress. Pedro Puntoni discute a pertinência das bibliotecas digitais. Hélio Kuramoto apresenta possibilidades para a melhor difusão da produção científica e cultural, enquanto Jean Claude Guedón, professor da Universidade Montreal, fecha o seminário debatendo políticas de digitalização. As inscrições, gratuitas, são feitas no local. Informações: www.brasiliana.usp.br ou tel. 3091-1154.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.