''Milagre é a gente transformar a mente''

Ele gosta de Obama, mas não de política. Se diz otimista quanto ao indivíduo. Aos 28 anos, lama Michel, monge budista, se autodefine: ?Nunca me achei nada especial?

Doris Bicudo e Sonia Racy, O Estadao de S.Paulo

11 de maio de 2009 | 00h00

A maturidade veio cedo para o jovem Michel. Teve sua primeira aproximação com o budismo aos 5 anos e aos 12, por decisão própria, tornou-se monge, indo viver em um mosteiro no Sul da Índia. Rebatizado, Jangchub Choepel Lobsang Nyentrag - o lama Michel - mudou sua base em 2004 para a Itália e hoje, aos 28 anos, corre o mundo dando palestras. Em São Paulo, preside a Fundação Lama Gangchen Para a Cultura de Paz. E é dessa pequena sede, de apenas duas salas, onde ele aterrissa uma vez por ano, que brota seu grande sonho de transmitir experiência. "Iluminação não é como acender a luz. É um processo lento e gradual." A seguir, trechos da sua conversa com a coluna: De que modo o budismo entrou em sua vida? Tinha oito anos quando fui reconhecido como reencarnação de um grande mestre tibetano. Quatro anos depois fui para um mosteiro na Índia. Fiz essa escolha sozinho. Ninguém me disse: "Você deve se tornar monge". Isso me diferencia da maioria dos outros lamas, que são levados para o mosteiro sem escolha.Como foi para uma criança de oito anos entender a reencarnação? Desde pequeno o conceito de reencarnação fez sentido para mim. Na primeira vez em que entrei em um cemitério, para visitar o túmulo do meu bisavô, o silêncio do lugar me encantou. Estava com minha mãe e disse a ela: "Hoje a gente está aqui olhando pro vovô. Amanhã a gente vai estar lá e ele aqui olhando para a gente. O conceito budista é de que Deus não existe. De que forma você lida com isso? Em momento algum, em seus ensinamentos, Buda fala da existência ou não-existência de Deus. Apenas menciona o que fazer para se desenvolver interiormente. Ao mesmo tempo, há uma parte dos ensinamentos em que se coloca a não-existência de um ser que seja único, permanente e onipotente. Sendo você tão jovem, como vive a relação entre mestre e discípulo? Dentro do budismo não há sistema hierárquico. Não existe uma igreja que represente o budismo. Uma das coisas que Buda colocou aos discípulos foi a importância de adaptar os ensinamentos à mentalidade e à necessidade das pessoas. De que maneira encara o futuro? Nunca me achei nada de muito especial e continuo não me achando. Mas é fato que eu tive uma bela oportunidade. De poder aprender os ensinamentos, de ir na direção de uma tradição que está se perdendo, de ter contato com o budismo que veio do Tibete. Meu objetivo é praticar, compreender e passar os ensinamentos. Se puder continuar a minha vida nessa direção, está ótimo!De que modo você compartilha o que aprende? Através da palavra. Palestras, ensinamentos, retiros. Minha posição é induzir a uma experiência junto a um conhecimento, para que cada um possa usufruir disso em sua vida. Não importa se eu compartilhe com cinco pessoas ou cinco mil. Se o interesse for sincero, eu vou.Qual a diferença entre dharma e carma? O dharma quer dizer muitas coisas: resistência aos fenômenos, ensinamentos, caminho espiritual. Os ensinamentos de Buda são chamados de dharma. Carma é ação - é a lei de causa e efeito. Qualquer ação que eu praticar é carma. Somos responsáveis pelas consequências de qualquer palavra que dissermos, qualquer pensamento ou decisão. Cedo ou tarde colhemos o resultado.Nesta vida ou em outra? O presente é o resultado do meu próprio passado e o futuro vai ser o resultado do meu presente acumulado com meu passado. Acredita no milagre? Não. O milagre é a gente conseguir a transformação da mente, que vem através do esforço.Os empresários, com a crise, estão procurando mais o budismo? De uma forma geral não, por algumas razões. A mais importante é que a grande maioria das pessoas está lidando só com o sintoma da crise e não com o problema, a doença em si. Esse momento só vai ser de transformação se a pessoa parar de procurar apenas o seu benefício e olhar para o todo.E quando é que a humanidade foi diferente? Acho que nunca. A diferença é que hoje em dia o impacto é maior por causa dos meios de comunicação. Do ponto de vista ambiental, a crise pode ser positiva: consumimos 30% a mais do que o poder de regeneração do planeta é capaz. Você se acha otimista ou pessimista com o mundo? De uma forma geral tenho um olhar pessimista, mas sou otimista em relação ao indivíduo. Acredito no poder e na capacidade de transformação de cada um de nós.E quanto ao poder? Qualquer pessoa que chega ao poder criou as causas para estar ali. E vai depender dela saber usar. Mesmo não acreditando na mídia, que muitas vezes leva a informação a uma outra direção, no caso recente dos Estados Unidos me traz satisfação o simples fato de Obama falar de um mundo sem armas nucleares, de respeito ao meio ambiente, harmonia social. Colocar os problemas na mesa e dizer: vamos lidar com eles. Você toma partido no conflito China-Tibete? Acho esse problema é muito mais complexo do que parece. O Dalai Lama quer uma direção, da autonomia para o Tibete. A China responde: se quiser a autonomia que nós demos, venha. Acontece que no meio estão os EUA. É uma história da qual prefiro ficar fora: não gosto de política. Mas acho importante a gente ter a consciência e saber distinguir entre política, religião e cultura. São aspectos diferentes que muitas vezes se misturam. Direto da fonte ColaboraçãoDoris Bicudo doris.bicudo@grupoestado.com.brGabriel Manzano Filho gabriel.manzanofilho@grupoestado.com.brPedro Venceslau pedro.venceslau@grupoestado.com.brProduçãoMarília Neustein e Elaine Friedenreich

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.