Mercado de arte ainda longe da crise

No centro das atenções está o recorde impressionante da tela O Mágico, de Beatriz Milhazes, vendida por US$ 1 milhão

Maria Hirszman, O Estadao de S.Paulo

29 de dezembro de 2008 | 00h00

Cildo Meireles, apontado por muitos como o mais sólido artista em ação no Brasil hoje, aparece em 2008 como a principal estrela do País no cenário internacional, com o recebimento do Prêmio Velázquez de Artes Plásticas - um dos mais destacados reconhecimentos da categoria - e a realização de uma grande mostra na Tate Modern, em Londres, até 11 de janeiro de 2009, na qual estão expostas oito grandes instalações e diversos trabalhos de sua autoria. Entre as obras que integram a exposição estão Mutações Geográficas e Arte Física, de 1969; Eureka/Blindhotland (1970-75) e Através (1983-9).Essa exposição consagradora seguirá em itinerância por várias capitais européias e americanas - Barcelona, Houston, Los Angeles e Toronto - nos próximos meses. Em 2010, o Museu madrilenho Reina Sophia também deve inaugurar uma grande exposição de trabalhos seus. Em 2009, o carioca Meireles deve ainda ser um dos poucos brasileiros a participar da mostra internacional da Bienal de Veneza. SENSAÇÕESMesmo diante da expectativa de que a crise venha a atingir também o mercado de arte, com já alguns indícios de queda no cenário internacional, pode-se dizer que 2008 foi um ano cheio de sensações neste campo. Dois fenômenos, um nacional e outro internacional, foram o centro das atenções. O primeiro deles foi o recorde impressionante obtido pela tela O Mágico, de Beatriz Milhazes, em leilão realizado em maio. Vendida por mais de US$ 1 milhão, a pintura tornou-se a obra mais cara de um artista brasileiro vivo já comercializada até o momento. Poucos meses depois, outro leilão deixou muita gente de boca aberta, ao subverter uma série de normas tácitas do mercado de arte e transformar o polêmico Damien Hirst, uma estrela da arte contemporânea, em ícone do mercado de arte. Pela primeira vez na história, o artista inglês resolveu passar por cima dos agentes e vender diretamente um grande número de obras de sua autoria diretamente em leilão realizado pela Sotheby''s, arrecadando US$ 125 milhões. Destaques ACERVO NEMIROVSKY (Estação Pinacoteca) TARSILA VIAJANTE (Pinacoteca do Estado) SEGALL REALISTA (Galeria do Sesi) LAÇOS DO OLHAR (Instituto Tomie Ohtake) TAUNAY (Pinacoteca do Estado) DUCHAMP ME (MAM) ACERVO DO MASP MAM 60 ANOS REGINA SILVEIRA (Galeria Brito Cimino) CINEMA SIM - NARRATIVAS E PROJEÇÕES (Itaú Cultural)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.