Memórias do modernismo, pelo poeta Raul Bopp

"Quando a maré de espectadores voltou aos seus lugares, a orquestra começou, também, a se localizar junto à ribalta e demais filas do palco. Alinhou-se o conjunto de instrumentos de corda. Depois, os instrumentos de sopro e tambores. Apareceu, em seguida, o material das congadas: tamborim, puíta, ganzá, reco-reco, adufos e o arengueiro. Violinos afinavam as cordas. Alguns músicos ainda corrigiam a posição das cadeiras. A plateia estava rumorejante." Assim o poeta Raul Bopp descreve a apresentação de obras de Villa-Lobos na Semana de Arte Moderna, um dos lances do modernista relembrado nesse livro, espécie de memória do movimento, assinada por um de seus principais representantes. Vida e Morte da AntropofagiaRaul BoppJosé Olympio154 págs., R$ 25

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.