Maria Alcina joga os confetes na Pompeia

Cantora leva ao palco o repertório de seu celebrado CD lançado no carnaval

Lauro Lisboa Garcia, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2009 | 00h00

No ano de comemoração do centenário de Carmen Miranda (1909-1955), ninguém melhor do que Maria Alcina, uma versão moderna, pós-tropicalista e sempre atualizada da Pequena Notável, para homenageá-la. Não só porque sempre se dedicou a reinventar parte do repertório da diva inspiradora, mas pelo espírito da coisa em si, que se reflete na influência da interpretação, na alegria e também nas fantasias. Em seu sofisticado álbum Maria Alcina, Confete e Serpentina (Outros Discos), lançado no carnaval deste ano, ela incluiu outro clássico brejeiro: Cachorro Vira-Lata, de Alberto Ribeiro. Amanhã Alcina transporta as novidades gravadas no CD para a choperia do Sesc Pompeia, tendo a seu lado o tecladista e produtor Maurício Bussab, do Bojo.Alcina também fez surpreendentes versões para Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua (Sérgio Sampaio), Roendo as Unhas (Paulinho da Viola), e Açúcar Sugar (Tom Zé/Lô Borges), mas principalmente se jogou no cancioneiro de jovens e criativos autores da cena independente, como Wado, Moisés Santana, Ronei Jorge, Adalberto Rabelo Filho, Piero Damiani e Roseli Martins, além da jovial veterana Alzira E. Eletrônica ou sambista, carnavalesca ou reflexiva, a inquieta Alcina desafia o tempo e reafirma que ousadia é chama que não se apaga. ServiçoMaria Alcina. Sesc Pompeia - Choperia (800 lug.). Rua Clélia, 93, Pompeia, 3871-7700. Amanhã, 21 h. R$ 4 a 16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.