Marcos Palmeira desafia o Diabo com entusiasmo

Filme de Moacyr Góes cativa o público no Festival do Rio

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

28 de setembro de 2007 | 00h00

Havia gente sentada no chão do Cine Odeon BR, na terça-feira à noite - incluindo o repórter do Estado -, para assistir à exibição de O Homem Que Desafiou o Diabo. O longa que Moacyr Góes adaptou do livro As Pelejas de Ojuara, de Nei Leandro de Castro, estréia hoje em salas de todo o País. Se tiver um décimo da recepção calorosa que teve no Festival do Rio, será um sucesso. O próprio Moacyr Góes, diretor de teatro que já fez TV e agora filma sem parar, diz que tem um carinho especial por este filme, entre todos os que já realizou. Moacyr diz que é autoral no teatro, mas na TV e no cinema não tem controle sobre o produto, que pertence à emissora ou ao produtor. Mas ele gosta de O Homem Que Desafiou o Diabo. A platéia do Rio também gostou. Assista ao trailer de O Homem Que Desafiou o DiaboMartin Scorsese fez um filme inteiro - Depois de Horas - para metaforizar a masturbação como resposta masculina ao medo da vagina dentada. Ojuara - o nome vem de Araújo, escrito ao inverso -, o homem que desafiou o Diabo, lança-se no mundo em busca de uma terra impossível de fartura e liberdade. Vive diversas peripécias que esculpem sua fama de valentão - a de mulherengo, ele já carregava antes. Num dessas aventuras, ele enfrenta (e vence) a mulher da vagina dentada. Na obra, encontra a mulher de sua vida e, para prendê-lo, ela precisa ter uma vagina de alicate.Foi a cena mais aplaudida de O Homem Que Desafiou o Diabo. Ojuara participa de uma disputa com um tipo de muitos maus bofes. Ambos disputam a cabocla mais bela do bordel. O desafio é cravar um prego na madeira só na base do soco. Dá empate. A mulher entra em cena. Se ela conseguir retirar o prego, poderá escolher o homem, com quem vai viver? Aceita a proposta, ela baixa a calcinha, senta-se sobre a madeira, a cavalo, e retira o prego só com movimentos das partes íntimas.Ojuara não é o tipo de filme pelo qual os críticos têm muito apreço. Ele leva mais jeito de agradar ao grande público, mas a época anda difícil para o cinema brasileiro. Filmes que eram grandes apostas de bilheteria, como Antônia, de Tata Amaral, e Cidade dos Homens, de Paulo Morelli, não fizeram, nem de longe, o sucesso esperado. A época anda tão confusa que ninguém sabe ao certo o que é, hoje, o filme popular brasileiro. 2 Filhos de Francisco, de Breno Silveira, arrebentou na bilheteria. Tropa de Elite, de José Padilha, chega (dia 12) para arrebentar, pelo menos é o que esperam distribuidores, exibidores e a própria equipe do filme mais pirateado da história do cinema brasileiro.Ojuara tem alguma coisa de Macunaíma, de João Grilo. Herói do sertão, ele conhece a opressão doméstica e dela se liberta. Vive na estrada, picaresco e libertino, num Nordeste mais de fantasia que real. Marcos Palmeira faz o papel com entusiasmo. O filme de Moacyr Góes tem a cara dele.Serviço O Homem Que Desafiou o Diabo (Brasil/2007, 97 min.) - Comédia. Dir. Moacyr Góes.16 anos. Cotação: Regular

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.