Isabella Matheus
Isabella Matheus

Marcia Pastore inaugura exposição altamente experimental na Pinacoteca

Em sua nova mostra, artista expõe ao público arte que brinca com os mais variados tipos de materiais; entrada é gratuita

Maiara Santiago, Especial para O Estado

22 de novembro de 2019 | 22h00

Um trabalho de muita experimentação. Assim pode ser definida a exposição da Marcia Pastore na Pinacoteca do Estado de São Paulo, que se inicia no próximo sábado, 23. A artista, que soma ao todo trinta anos de carreira, vai levar ao público uma mostra com quarenta peças, que traz toda a sua inquietação pela forma como a matéria interage - e se encaixa -, em um determinado espaço.

"Eu nunca projeto e nem desenho, sempre parto direto para a matéria. Tenho uma aproximação espacial muito forte e facilidade em analisar o espaço", explica Marcia durante entrevista ao Estado. No entanto, os anos de experiência foram dando a artista uma maior expertise na hora de montar suas obras. "O erro vai diminuindo e se torna possível prever onde há mais chances de acontecer uma falha", diz.

Ela também não tem medo de ousar com os materiais: roldanas, borrachas, tubos de aço, tudo vira uma peça de arte para a artista, que já pegou uma laje demolida do estacionamento de uma loja de materiais de construção, para fazer uma obra no Museu Brasileiro de Escultura e Ecologia - MUBE.

"Não gosto de materiais de modelar, prefiro mais aqueles que já tenham uma identidade própria. Não sou fã de materiais que se conformam", explica. A artista, que brinca com diferentes tipos de formas e elementos, deixa a disposição das peças fluir de forma natural, permitindo a elas interagirem entre si de forma espontânea. "Eu coloco os elementos em contato para eles dialogarem", completa.

"Ela tem uma maneira muito peculiar e própria de trabalhar, por meio de um processo que vai transformando a peça em várias etapas", explica a curadora Ana Maria Belluzzo. O jeito único da artista, fez com que ela precisasse de um longo processo de aprofundamento, até finalmente conseguir compreender a sua forma de projetar. "A Marcia pouco se vale de um suporte, sua obra se assenta no espaço. Ela brinca bastante com essa questão do peso e das formas dos materiais".

É também curioso destacar que sua obra parece estar em constante transformação, uma possível 'consequência' da inquietação que a artista tem com relação aos espaços e ao que eles transmitem. Não à toa, apesar da mostra passear pelos trinta anos da carreira da artista, tudo será muito novo a quem visitar.

"Mesmo as obras mais antigas dela foram revividas e reeditadas dentro desse espaço da Pinacoteca, deixando tudo novo e atemporal", explica Ana Maria. Exemplo disso é uma das obras antigas de Marcia, que antes ocupava uma parede inteira, mas que precisou se reconfigurar no novo espaço e ser montada em duas paredes.

Nesse sentido, a curadora também faz questão de explicar que, apesar da mostra reunir alguns de seus trabalhos mais antigos, a intenção não é fazer uma retrospectiva, mas sim, um recorte específico do trabalho da artista. "Mantivemos um olhar muito atual da sua arte. Então mesmo quando a mostra se encaminha para as obras que foram feitas no passado, elas referenciam e ajudam a encontrar a escrita artística da Márcia no presente", explica Ana.

E teremos, também, algumas obras exclusivas de Marcia na exposição. Aliás, para uma de suas criações inéditas, ela abriu janelas no forro de uma das salas da Pinacoteca, para que pudesse ver as estruturas do teto e a movimentação no andar de cima. O resultado? Só indo até lá para descobrir.


SERVIÇO

Marcia Pastore: Contracorpo

Pinacoteca - Praça da Luz 2

23/11 até 06/04

4ª a 2ª/ das 10h às 17h30

Entrada Gratuita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.