Marchand acha por acaso obras milionárias atribuídas a Kooning

O vendedor de arte encontrou seis quadros que podem ser do pintor em Nova Jersey

AFP

24 de julho de 2018 | 11h13

Um marchand, vendedor de obras de arte, revisava os trabalhos de um restaurador de Nova Jersey quando, em meio ao material pelo qual havia pago 15 mil dólares, encontrou o que acredita serem seis pinturas de Willem de Kooning.

As obras do pintor de arte abstrata de origem holandesa, naturalizado americano, podem valer milhões de dólares.

O local onde estavam armazenadas, perto da cidade de Ho-Ho-Kus, pertencia ao reconhecido restaurador de arte Orrin Riley, que morreu em 1986, deixando tudo para sua namorada, Susanne Schnitzer, falecida em um acidente em 2009.

++ Obra de Willem de Kooning roubada em 1985 foi recuperada

Após tentar, sem sucesso, vender individualmente os cerca de 200 trabalhos que estavam no local, os herdeiros de Schnitzer decidiram vender todos os conteúdos a granel. suposta obra de kooning

"Honestamente, tudo o que eu sabia era que outra casa de leilões não havia mostrado interesse, então pensei que fosse lixo", contou à AFP David Killen, que tem uma galeria em Nova York e organiza vendas.

"Todas as coisas estavam embaladas. Eu disse 'olha 15.000 dólares por isso, vou me arriscar'", contou.

Quando acabou de esvaziar o cômodo, Killen percebeu que seis telas pareciam obras de arte do pintor Willem de Kooning (1904-1997).

O vendedor de arte mostrou seu achado ao restaurador Lawrence Castagna, que trabalhou com Kooning e Orrin Riley. O profissional confirmou a impressão de Killen: "Acho formalmente que são de Willem de Kooning", disse Castagna à AFP, esclarecendo que esta não é uma opinião de especialista.

O marchand - que afirma também ter descoberto nesse local uma pintura do pintor suíço Paul Klee - leiloará as obras entre este ano e janeiro de 2019. Segundo a sua estimativa, as pinturas podem ser vendidas por valores entre 10 mil e 10 milhões de dólares.

Uma pintura de Kooning, denominada Untitled XXV, foi vendida por 66,3 milhões de dólares em 2016 na Christie's em Nova York. Outro exemplar, vendido de forma privada, alcançou os 300 milhões de dólares em 2015.

"Estou contente. Acreditem ou não - e talvez as pessoas achem graça quando ouvirem isso - não se trata de dinheiro. O que eu quero é publicidade para a minha casa de leilões", disse Killen.

Mais conteúdo sobre:
Willem de Kooning

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.