Mantiqueira recebe mais escritores para segunda edição

Evento terá também show da banda de jazz de Luis Fernando Verissimo

Ubiratan Brasil, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2009 | 00h00

O número de escritores aumentou e agora vem até um convidado estrangeiro - o 2º Festival da Mantiqueira - Diálogos com a Literatura começa amanhã e se estende até domingo em São Francisco Xavier, charmoso distrito de São José dos Campos, com a intenção de intensificar sua proposta original: intensificar a relação das letras com outras artes. "Além de shows musicais, pretendemos novamente criar um ambiente favorável para que o leitor tenha um contato próximo com seu escritor favorito", comenta André Sturm, coordenador da Unidade de Fomento e Difusão Cultural da Secretaria de Estado da Cultura, promotora do evento.Neste ano serão 30 autores convidados, ante 20 de 2008. Assim, na tenda principal, ocorrerão encontros de nomes como Luis Fernando Verissimo, Ignácio de Loyola Brandão, Menalton Braff, Luiz Alfredo Garcia-Roza e Cristóvão Tezza, além do português Miguel Sousa Tavares. Ao lado, será montada outra tenda, onde a participação é livre mas especialmente dirigida a estudantes. Lá, por exemplo, a obra de Monteiro Lobato será o tema da conversa com a pesquisadora Marisa Lajolo, no sábado à tarde.Das mesas preparadas para o fim de semana, uma que deve despertar atenção é Literatura Policial - 200 Anos de Edgar Allan Poe, em homenagem ao autor norte-americano que se destacou como mestre do realismo fantástico, terror e policial. A mesa reúne Luis Fernando Verissimo, Flávio Carneiro e Luiz Alfredo Garcia-Roza, mediados por Luís Augusto Fischer.Miguel Sousa Tavares, que chega amanhã ao Brasil e ruma diretamente para São Francisco Xavier, não esconde a curiosidade em conhecer a região. "Sei que foi na Mantiqueira que ocorreu o encontro dos estudantes durante o regime militar", conta o escritor, revelando a avidez com que devorou os volumes escritos por Elio Gaspari sobre o período da ditadura militar.Conhecido por romances de cunho histórico, como Equador (Nova Fronteira) e Rio das Flores (Companhia das Letras), que o tornaram celebridade em Portugal, Tavares conversa com o público no domingo, às 11 h. Um dos temas que poderão ser discutidos é seu novo livro, No Teu Deserto, a ser lançado em seu país em julho."Trata-se de algo diferente em minha carreira, mais intimista, sensível, sem nenhum cunho histórico." De fato, a trama acompanha um casal que se encontra por acaso para atravessar o deserto do Saara durante 40 dias. "Ela tem 22 anos, ele, 36, e a história é narrada na primeira pessoa por ambos."O escritor sente-se à vontade no Brasil ("Já quase me sinto um local"), conhecedor tanto dos problemas políticos como da variedade literária. Nos últimos meses, por exemplo, leu obras de Chico Buarque de Holanda ("Achei Budapeste fantástico"), Zuenir Ventura, Milton Hatoum. "Reli também Jorge Amado para escrever um posfácio para Terras do Sem Fim. Seu neorrealismo continua atual."Outro preferido de Tavares, Verissimo também vai se apresentar com seu grupo, o Jazz 6, uma das atrações musicais. Durante o festival, serão também anunciados os finalistas do 2º Prêmio São Paulo de Literatura. E, encerrado o encontro, começa o projeto Viagem Literária, que leva autores consagrados a bibliotecas públicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.