Mangue Seco, berçário do cavalo-marinho

Ilustres moradores de um dos braços de mar que adentra o Rio Guriú, no Mangue Seco, a 5 quilômetros de Jericoacoara, os cavalos-marinhos são a principal atração de um passeio ecológico feito em canoas a remo pelos nativos a R$ 10 por pessoa. É costume dizer que, se o turista não observar nenhum peixe, o dinheiro é devolvido. Impossível: a região é berçário desses bichinhos que alcançam 14 centímetros. Basta atenção para achá-los na beira do mangue. Enroladinhos nas raízes ou parecendo gravetos a flutuar, os cavalos-marinhos são difíceis de ser encontrados à primeira vista porque costumam ser marrons Mas, com paciência, é possível ver outros mais raros - amarelos, laranjas e vermelhos. Para mostrar melhor o peixe com cabeça de cavalo e rabo de macaco, os guias o retiram da água em uma cabaça ou garrafa pet. Antes de a região ter sido incluída na Área de Proteção Ambiental do Parque Nacional de Jericoacoara, em 2007, moradores e turistas pegavam os peixes na mão, mas, devolvidos à água, eles não sobreviviam. Mais abundantes, os caranguejos vermelhos e azuis são espetáculo à parte no passeio. Estão por todas as partes: até nos galhos das árvores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.