Makely Ka, musicalidade a serviço da poesia

O poeta Makely Ka, piauiense que fixou residência em Belo Horizonte, entrou na música por força dos versos que escreve. Parte significativa de sua produção está no perspicaz CD Autófago, do qual faz uma versão compacta no show de hoje dentro da Mostra de Arte Mineira Contemporânea, no Sesc Pompéia. A cantora Érika Machado e o projeto de música eletrônica Indiana Magneto são as outras atrações da noite. Ouça Kiko Klaus e Makely KaNo encarte do disco, que ele também disponibilizou todo na internet, Makely avisa que o CD é apenas o suporte do conteúdo musical, que é o que realmente importa. A música, porém, é o veículo para algo ainda mais importante: sua poesia. Exceção no pop-rock atual, em que muito se fala, mas pouco se aproveita, Makely brande idéias de conteúdo político, sexual, existencial, descreve paisagens urbanas cinzentas com traços secos, como o caos de fios elétricos embaraçados que ilustram a capa e o encarte do CD em preto-e-branco.A sonoridade musical adequada para suas letras reflexivas é pesada, com rock, reggae, coco, funk e afins se alternando em seqüência sem intervalo entre as faixas. "Não tenho formação musical, venho da poesia. A partir de quando comecei a musicar os poemas que fazia, surgiram convites para parcerias. As pessoas me mandavam melodias para colocar letra e isso quase que virou a minha profissão", diz Makely. "Acho que há uma escassez de letristas no mercado e a gente acaba tendo de se desdobrar."Em outros tempos, Makely seria classificado de "maldito", como o foram Walter Franco, Jards Macalé e Itamar Assumpção (1949-2003), dos quais se ouvem ecos inspiradores, como os de Arnaldo Antunes, em algumas faixas, como Endoscopia, Sorôco e O Meteoro. Autófago é um bom exemplo com versos como: "Eu me alimento da carniça do meu pensamento.../ Eu me deserto quando seca o lacrimejamento/ E me rebento quando aborto meus renascimentos".Conterrâneo do tropicalista Torquato Neto (1944-1972), Makely o tem como uma das referências mais fortes. O outro é o paranaense Paulo Leminski (1944-1989). Deste ele absorve a ironia e certa influência da cultura oriental. De Torquato, a inspiração da personalidade artística, de articulador. "Os dois se colocavam com muita paixão em tudo o que faziam." Se o inconformismo na democracia de hoje não tem o peso do risco nos tempos da ditadura, há outros oponentes a combater. Makely, de extenso currículo artístico, também é articulado nesse sentido. Foi ele um dos idealizadores do projeto Reciclo Geral, que deu ares de movimento aos jovens músicos independentes mineiros em 2005. Duas cantoras dessa geração, Patrícia Rocha e Maísa Moura, participam do CD, uma teia nervosa de metáforas e invenções. ServiçoMostra Contemporânea de Arte Mineira. Choperia do Sesc Pompéia (800 lug.). R. Clélia, 93, 3871-7700. Hoje, 19 h; amanhã, 21 h. R$ 16

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.