Madame Satã revela o talento de Lázaro Ramos

A figura de João Francisco dos Santos, o Madame Satã, inspirou uma das melhores interpretações da carreira de Milton Gonçalves: em A Rainha Diaba, que Antônio Carlos Fontoura dirigiu em 1974, ele interpreta o travesti, um temível bandido que, do quarto dos fundos de um antro de prostituição, controla a distribuição de drogas no Rio do início do século passado. A vida anterior, ou seja, os acontecimentos que o levaram a se transformar nessa figura é o tema de Madame Satã, filme de Karim Ainouz que o Canal Brasil exibe hoje, às 22 horas.E, da mesma forma que Milton Gonçalves brilha na primeira versão, agora é a vez de Lázaro Ramos apresentar uma inspirada interpretação. A versatilidade já se tornou uma marca em sua carreira. Ele surgiu no Olodum, em Salvador. Foi para o Rio disposto a fazer carreira no teatro.Logo no início, alternou um trabalho no palco, com a peça A Máquina, dirigida por João Falcão, e os filmes Madame Satã, O Homem do Ano e As Três Marias. Lançado primeiro, Madame Satã alçou-o ao sucesso e lotou sua agenda, tomada por novelas e outros longas. Repercussão merecida: sem concessões, constrói um personagem marcado pela paixão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.