Luzes que incidem sobre os crimes de um regime

No inverno de 1976, Simón Cardoso é preso pelos militares que instalaram uma ditadura sangrenta na Argentina. Nunca mais ele apareceu. Trinta anos depois, sua mulher, Emilia Dupuy, fica paralisada ao escutar a sua voz em um estabelecimento no subúrbio de New Jersey. Incide uma luz sobre o mundo que desmoronara. E há um detalhe estarrecedor - Simón está fixado na juventude. O tempo não passou para ele. Com esse enigma, Purgatorio aborda a ansiedade de um amor perdido e recuperado juntamente com a reconstrução detalhada da realidade sinistra criada pelo regime militar. Aqui, a degradação toma conta de uma sociedade que aceita como verdades absolutas as medidas do poder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.