Alain Jocard/AFP
Alain Jocard/AFP

Louvre terá uma mulher na presidência pela primeira vez na história

Laurence des Cars, presidente do Museu de Orsay, vai assumir o Louvre, o maior museu do mundo, inaugurado há 227 anos

Redação, AFP

27 de maio de 2021 | 09h03

A presidente do Museu de Orsay, Laurence des Cars, substituirá Jean-Luc Martinez à frente do Museu Louvre a partir de 1º de setembro - informou o Palácio do Eliseu nesta quarta-feira, 26, confirmando uma informação da rádio France Inter.

Laurence, de 54 anos, será a primeira mulher a dirigir o prestigioso museu francês, após passar quatro anos à frente do Museu de Orsay.

Durante esse período, essa historiadora da arte do século 19 e início do 20 se destacou por seu dinamismo e se concentrou na diversidade, nos temas sociais e na importância de atrair as novas gerações. E foi especialmente aplaudida pela exposição O Modelo Negro, montada em 2019.

Ao submeter sua candidatura, Laurence apresentou um projeto para tornar o Louvre um museu "totalmente contemporâneo", voltado para a "juventude" e que pretende ser uma "câmara de ressonância da sociedade", explicou ela à France Inter.

Sua primeira medida à frente deste museu criado em 1793 será criar um nono departamento, dedicado a Bizâncio e aos cristãos do Oriente. 

"Ela é uma conservadora reconhecida, de projeção internacional, que se destacou no Orsay e tem um grande conhecimento do Louvre desde que trabalhou no [projeto de construção do] Louvre de Abu Dhabi, entre 2007 e 2014", destacou o Eliseu.

A decisão final sobre a nomeação dos presidentes dos grandes museus públicos cabe ao chefe de Estado.

O presidente Emmanuel Macron "apreciou o fato de Des Cars perceber que os debates sociais entraram nos museus e que ela examina como (...) tratá-los do ponto de vista da arte e do entretenimento, convidando, sobretudo, os artistas", afirmou um conselheiro do Eliseu.

Louvre recebeu mais de 10 milhões de visitantes em 2019

Jean-Luc Martinez, de 57, dirigia o Louvre desde 2013. Esse historiador e arqueólogo especializado em antiguidades gregas concorria por um terceiro mandato.

Muito preocupado com abrir o Louvre para todos os públicos, lutando contra o elitismo, reorganizou e reformou o museu para torná-lo mais acolhedor.

Na sua gestão, o número de visitantes passou de 10 milhões em 2019, antes da pandemia do coronavírus, sendo 71% deste público composto de estrangeiros. Foi um recorde mundial.

Martinez também teve como bandeira a inauguração do Museu do Louvre em Abu Dhabi e do centro ultramoderno de conservação de obras em Lievin, próximo ao Louvre da cidade de Lens, no norte da França.

Foi nomeado por Macron como o primeiro embaixador para cooperação internacional no âmbito do patrimônio e será o responsável pela política de restituições e da luta contra o tráfico de obras de arte.

O Louvre reabriu em 19 de maio deste ano, após passar meses fechado pela pandemia da covid-19.

"Laurence des Cars deverá escrever uma nova página na história do maior museu do mundo. O Louvre deve se reinventar neste mundo pós-crise, para se tornar, mais do que nunca, um lugar de contemplação e de reflexão aberto a todos", disse a ministra francesa da Cultura, Roselyne Bachelot.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.