Atelier van Lieshout via The New York Times
Atelier van Lieshout via The New York Times

Louvre retira peça por considerá-la explícita sexualmente

Decisão repercutiu mal entre artistas; prefeitura de Paris ofereceu ajuda para encontrar outro espaço para a peça

Robin Pogrebin, The New York Times

04 Outubro 2017 | 12h34

O Louvre retirou uma grande instalação de um coletivo holandês por ser sexualmente explícita - logo após a decisão do Guggenheim de retirar três trabalhos de arte controversos de uma mostra sobre a China (e também em meio ao debate sobre liberdade artística que tomou conta das redes sociais no Brasil nos últimos dias).

+ 'Tragam seus filhos para ver gente nua', diz campanha para atrair pessoas a museus na França

A peça - Domestikator, do coletivo Atelier Van Lieshout, cuja silhueta representa uma cópula - era para ser aberta ao público no dia 19 de outubro, nos Jardins Tuileries do Louvre, em Paris, como parte da Hors les Murs, programa de arte público organizado pela feira de arte contemporânea Fiac.

"Isso é algo que não deveria acontecer", disse o fundador do coletivo, Jeop van Lieshout, por telefone. "Um museu deve ser um lugar aberto para comunicação. A tarefa do museu e da imprensa é explicar o trabalho."

+ Polêmica do MAM: Criança deve ter acesso a todo tipo de arte?

"A peça em si, não é muito explícita", acrescentou van Lieshout. "É uma forma muito abstrata. Não há genitais; é bem inocente."

A galeria de Londres Carpenters Workshop, que represente o ateliê, disse num comunicado que a decisão do Louvre era "muito danosa aos artistas e à feira Fiac", acrescentando que "o trabalho de arte simboliza o poder da humanidade sobre o mundo e sua abordagem hipócrita com a natureza".

+ Análise: Má interpretação da arte gera equívocos que duram séculos

Um porta-voz do Louvre disse que a escolha de obras exibidas nos Jardins Tuileries sob responsabilidade da Fiac é feita por três comitês, mas não houve uma discussão colegiada sobre a exibição.

A publicação francesa Le Monde reportou que o diretor do Louvre, Jean-Luc Martinez, enviou uma carta para a Fiac levantando preocupações sobre a peça.

"Comentários online apontam que esse trabalho tem um aspecto brutal", Martinez disse na carta. "É arriscado que seja mal compreendido por visitantes nos jardins."

+ Museus e curadores divulgam carta de repúdio a ações contra exibições

O museu também demonstrou preocupações sobre a escultura, de 12 metros, estar situada próximo a um parquinho de crianças.

A Carpenters Workshop disse que a prefeitura de Paris ofereceu ajuda para encontrar outro espaço para a peça, mas que era "muito tarde".

A notícia chega no mesmo dia em que uma campanha para atrair famílias para museus na França traz em um dos cartazes a frase "Tragam seus filhos para ver gente nua", colocada sobre uma pintura de Auguste Renoir. A comunicação é do Museu d’Orsay e o Museu da Orangerie, também em Paris. / Tradução Guilherme Sobota

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.