Little Joy volta a celebrar a amizade

Banda volta ao País para espetáculos hoje, no Rio, e amanhã, em São Paulo; no repertório, canções do 1.º CD e novidades

Lucas Nobile, O Estadao de S.Paulo

14 de agosto de 2009 | 00h00

Se a banda Little Joy fizesse hoje, na Fundição Progresso (Rio de Janeiro) e amanhã, na Via Funchal, exatamente o mesmo show que apresentou no início do ano, em São Paulo, já valeria o ingresso. Na ocasião, a banda formada por Rodrigo Amarante (guitarra/vocais/teclado), Fabrizio Moretti (guitarras/vocais), Binki Shapiro (vocais/teclado), Todd Dahlhoff (baixo), Matt Borg (guitarra) e Matt Romano (bateria) fez três apresentações curtas e lotadas na Clash. Desta vez, o grupo volta ao Brasil para tocar em grandes casas, com poucas, mas promissoras novidades.Além de mostrar todas as músicas do álbum de estreia, o Little Joy apresentará duas novas composições - feitas nas duas últimas semanas, em Nova York -, que ainda nem título receberam, e mais dois covers: a balada Midnight Voyage, da banda The Mamas and The Papas, e a imagética e realista Procissão, de Gilberto Gil, lembrando o arranjo feito pelos Mutantes em 1968, que já vinha sendo executada brilhantemente pelo Little Joy na turnê deste ano pelos Estados Unidos, México e Europa. Diferente dos shows de janeiro e fevereiro, a banda será acompanhada desta vez por um naipe de metais, que tocará frases que foram gravadas no disco, mas não vinham sendo feitas ao vivo.Na abertura do show, mais uma novidade. Além da banda The Dead Trees, a mesma que tem acompanhado o Little Joy nas exibições pelo exterior, quem sobe ao palco é o cantor e compositor nova-iorquino Adam Green, cujo próximo disco, que será lançado em breve, foi coproduzido por Rodrigo Amarante. "É o melhor que o Adam já fez. Quem produziu foi o Noah (Georgeson, produtor do álbum do Little Joy e dos dois últimos trabalhos do americano Devendra Banhart). Eu me considero um coprodutor passageiro, pois não participei das gravações o tempo inteiro", diz Amarante.O grupo, que tocou na noite de ontem em Porto Alegre, começou a se apresentar em pequenos bares pelos Estados Unidos, com cada integrante carregando seus instrumentos e colaborando na montagem dos minúsculos palcos e na passagem de som, como se fossem amadores. Agora, eles têm a chance de mostrar que as canções leves e amenas do primeiro disco são grandes demais para ficarem confinadas a botecos e baladas do interior norte-americano, e que podem ser aplaudidas em uma casa de shows brasileira com capacidade para 6 mil espectadores, como a Via Funchal. Público fiel a banda já tem, não por ter como apelo a presença em sua formação dos cariocas Amarante e Moretti, que anteriormente tocavam em grupos seguidos por legiões de fãs, como Los Hermanos e The Strokes, respectivamente, mas sim pelo fato de terem composto canções despretensiosas para expressar o motivo de sua união: uma sincera celebração entre amigos. ServiçoLittle Joy. Via Funchal (6 mil lugares). Rua Funchal, 65, Vila Olímpia, telefone 2198-7718. Amanhã, 22 h. R$ 100/R$ 180

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.