Little Joy toca hoje na cidade com casa lotada

Trio formado por Amarante, Moretti e Binki veio lançar o bom CD de estreia

Lauro Lisboa Garcia, O Estadao de S.Paulo

28 de janeiro de 2009 | 00h00

Leveza e despretensão com boa música é uma combinação que não se vê muito por aí. Muito menos brasileiros cantando bem em inglês. Ao unir-se com Fabrizio Moretti (dos Strokes) e a cantora Binki Shapiro, o carioca Rodrigo Amarante (Los Hermanos) conciliou bem essas virtudes, resultando no prazeroso CD de estreia do Little Joy, que leva apenas o nome da banda, e acaba de sair no Brasil pela Som Livre/Slap. Há, naturalmente, ecos do estilo das duas bandas dos compositores, mas a "atitude" é mais despojada, os shows são realizados em lugares pequenos.Depois da estreia nacional em Porto Alegre, eles se apresentam hoje e amanhã no Clash Club (500 lugares), com lotação esgotada nas duas noites. Há mais um show agendado para o dia 5 de fevereiro no mesmo local. Os ingressos para essa apresentação extra começam a ser vendidos hoje. A pequena turnê também contempla Belo Horizonte, Brasília e Curitiba, fechando no Rio no dia 6/2."Não esperávamos que fosse acontecer isso, foi uma surpresa linda. É um sinal de boas vindas e todo mundo ficou superfeliz na banda", diz Amarante em relação à receptividade do público paulistano (o show de Brasília também está sold out). "Mas o tamanho do lugar condiz com o momento. Mesmo tendo fãs de Los Hermanos e dos Strokes e tal, a banda está no começo, então acho que combina mais."Gravado na Califórnia, o CD tem, na maior parte das 11 faixas, a sonoridade climática daquele ambiente, reverberando o folk-rock dos anos 60. "Foi um negócio natural. As primeiras músicas que a gente trabalhou, que Fabrizio já vinha fazendo, tinham uma onda de canção que de alguma forma remetia aos anos 60", diz Amarante. "E também estávamos ouvindo muita música daquele período, até mesmo Nina Simone, os Wailers do começo, Beach Boys. Quando se diz que o lugar terminou por influenciar, acho que há várias dimensões em relação a isso. Você está na Califórnia e as músicas que combinam de ouvir dirigindo carro - que é uma coisa que você tem de fazer inevitavelmente todo dia - acabam por impregnar no som."A canção que abre o CD, a bilíngue The Next Time Around, é uma que lembra Los Hermanos, mas é em Brand New Start e Keep me in Mind (cantadas em inglês como a maioria) onde se dá melhor a química Hermanos + Strokes. Mas há também uma ponta de melancolia, em faixas como With Strangers. A única com letra inteiramente em português é a que encerra o álbum, Evaporar, já gravada por Amarante no CD Lanny Duos, do lendário guitarrista Lanny Gordin. No mais, Little Joy é daqueles raros discos em que você não tem vontade de pular nenhuma faixa. É tudo muito bonito, bem-feito. "Fomos fazendo aos poucos, sem pensar que ia virar um disco. Na gravação a gente foi meticuloso no que queria, mas não tinha muito uma linha, foi mais tentando responder o que as músicas pediam." Little Joy é o nome do botequim que ficava na esquina onde eles moravam quando começaram a fazer as canções.Além de Amarante (vocais, guitarra e teclados), Binki (vocais e teclados) e Moretti (vocais e guitarra), a banda tem Todd Dahlhoff (baixo), Noah Georgeson (guitarrista e tecladista que produziu o CD) e Matt Romano (bateria).Em março, Amarante reencontra os companheiros de Los Hermanos (Marcelo Camelo, Bruno Medina e Rodrigo Barba) para tocar no Just a Fest, que tem o Radiohead e o Kraftwerk como principais atrações. "Vamos tocar músicas dos nossos dez anos de carreira. Não tem nada combinado ainda." ServiçoLittle Joy. Clash Club (600 lug.). Rua Barra Funda, 969, Barra Funda, 3661-1500. Hoje e amanhã, 22 h. R$ 60 (ingressos esgotados)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.