Lições sobre o preconceito e os males que causa

Autor e diretor de O Menino do Pijama Listrado falam da decisão de narrar horrores do nazismo às crianças

Franthiesco Ballerini, LOS ANGELES, O Estadao de S.Paulo

12 de dezembro de 2008 | 00h00

Vez ou outra a Segunda Guerra Mundial volta aos cinemas com nova roupagem. O Menino do Pijama Listrado, que estréia hoje no Brasil, recebeu críticas mornas nos Estados Unidos, talvez pelo cansaço do público de lá com guerras fictícias e reais. Já na Europa, foi muito bem recebido e rendeu, há duas semanas, o prêmio de melhor atriz para Vera Farmiga no British Independent Film Award, o que pode servir de aquecimento para alguma indicação ao Oscar, já que se trata da principal aposta da Disney para a premiação de 2009.Veja o trailer do filmeO mais curioso do filme é que se trata de uma produção destinada originalmente a crianças, embora fale de genocídio e assassinato durante o regime nazista. "Não sei de onde tirei a idéia de escrever este livro, mas sempre pesquisei sobre o nazismo, embora não seja judeu nem tenha sofrido com ele. Escrevi o livro para crianças e achei, em princípio, que os adultos não iriam gostar, mas notei que alguns países publicaram o livro para adultos, por acharem pesado demais. Me perguntam se não acho demais levar as crianças para o cinema para ver um filme como esse. Respondo que não, que acho importante que saibam da existência de preconceitos e os danos que isso causa no mundo", contou ao Estado o autor do livro de mesmo nome John Boyne. O Menino do Pijama Listrado conta a história fictícia de uma família cujo pai (David Thewlis) é um general nazista. A uma certa altura da guerra, eles se mudam para as proximidades de um campo de concentração, para que ele possa ficar mais próximo do trabalho. Sua mulher (Vera Farmiga) demora meses para se dar conta do horror que passa ao lado de sua casa, descobrindo graças à nuvem de fumaça que sai da chaminé do local, espalhando cinzas pela região. "Foi a seqüência mais dura de se filmar, quando o cheiro daquela cinza revela sua origem", diz Vera Farmiga. Seu filho Bruno - em uma ótima interpretação do menino inglês Asa Butterfield - acaba fazendo amizade escondida com um garoto judeu preso no campo (Zac Mattoon O''Brien), desencadeando um desfecho dramático. "É claro que o final é depressivo e é duro ver a cena do garoto passando fome e implorando por um sanduíche ao amigo. A audiência reage fortemente a estas cenas, mas o livro e o filme não teriam razões de existir se não terminassem desta maneira", conta David Thewlis, o professor Lupin de Harry Potter, que diz ter tido diversos pesadelos com o personagem durante as filmagens.O roteiro foi feito de modo que o espectador pensasse, durante a exibição, ser aquilo inspirado numa história real, o que não é verdade. "Não há ligação direta com nenhuma família, mas com histórias que li ao longo da vida e informações do livro Hitlers Willing Executioners, de Daniel Jonah Goldhagen", conta Boyne.O grande destaque do filme está nas interpretações infantis. Os dois garotos, alemão e judeu, tiveram consultoria constante dos pais e de professores, para que entendessem o contexto da Segunda Guerra Mundial. É o tipo de atuação que emociona o público ao estilo Toto (Salvatore Cascio), de Cinema Paradiso. "Filmamos em ordem cronológica, por causa das crianças. Na época, estava tentando engravidar e vê-los atuar me emocionava naturalmente", diz Vera Farmiga, hoje grávida de oito meses de seu primeiro filho. "Eu levaria meu filho para vê-lo, pois há genocídios na Geórgia, no Iraque, na África que as próximas gerações devem conhecer", complementa a atriz, que conheceu o campo de concentração de Auschwitz para se ambientar na história. "Tenho trabalhado com muitas crianças em Harry Potter, mas há anos não vejo atuações tão boas quanto destes dois meninos no filme. O público vai se emocionar", diz David Thewlis. Em outras palavras, separe o lencinho antes da sessão começar. ServiçoO Menino do Pijama Listrado (Inglaterra- EUA/2008, 94 min.) - Drama. Dir. Mark Herman. 12 anos. Cotação: Regular

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.