Kid Sister, do balcão ao palco

Ex-vendedora, largou emprego em loja para conquistar espaço no hip-hop, e toca amanhã em São Paulo{HEADLINE}

Marcus Vinícius Brasil, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2008 | 00h00

Há um ano, Melisa Young vendia roupas de criança em uma loja de Chicago. Hoje, ela faz seus fãs pularem com rimas ágeis e arranjos instrumentais incendiários. Kid Sister, como ficou conhecida no mundo do hip-hop, está entre as principais atrações do festival Nokia Trends, que será realizado amanhã, no Cine Marrocos."Esse show em São Paulo coincide com o primeiro aniversário de minha turnê. Eu trabalhava como vendedora em Chicago, e havia outras funcionárias que me incentivaram a tentar a carreira musical. Tínhamos uma geladeira cheia de cerveja no fundo da loja, e quando alguma cliente era grossa conosco, íamos para lá relaxar. Elas prometeram que eu teria meu emprego quando terminasse a turnê, então fui atrás de meu sonho", diz Melisa. Apesar de sua estrada ser bem menor que a de alguns artistas que também se apresentarão no festival, como o inglês Bomb the Bass, seu currículo já conta com credenciais invejáveis. Só neste ano, em que ela explodiu para o mainstream, tocou em alguns dos principais festivais de música do mundo, entre eles o Sónar de Barcelona, Glastonbury e Coachella. "As coisas estão muito estranhas em Chicago. Desde que eu passei a ganhar algum reconhecimento, sinto que todos por lá estão tentando conseguir alguma fama. Fazíamos festas incríveis, com oito DJs tocando em uma única noite. Hoje cada um está em seu canto." Ela se refere a uma onda de novos artistas que brotou na cidade e apareceu para o mundo da música pop nos últimos anos. Gente como os Cool Kids e Flosstradamus (um dos integrantes da dupla é irmão de Melisa) colocou a cidade de volta ao mapa da música inventiva nos Estados Unidos. A ponte de Melisa para o reconhecimento internacional foi o lançamento do single Pro Nails. A faixa, uma composição pegajosa que fala sobre o capricho da garota com a pintura de suas unhas, atraiu a atenção do rapper Kanye West, que a acabou apadrinhando. Quem apresentou o som de Kid Sister a West foi o DJ A-Trak, estrela do hip-hop underground e namorado da rapper.Mas apesar de todo alvoroço em torno de sua fama recém-conquistada, Melisa ainda aguarda o lançamento de seu primeiro álbum. O disco, intitulado Dream Date, tinha lançamento previsto para setembro, mas só deve sair em 2009. "Está tudo gravado e masterizado; tudo pronto. Mas me pergunte sobre como vender roupas, que é o que eu sempre fiz, e não sobre a indústria da música." O disco terá a participação de artistas requisitados do hip-hop e da música eletrônica, como o francês Yuksek, Spank Rock e o próprio West.As músicas misturam rap com arranjos bate-estaca; linhas de baixo emprestadas da disco music dos anos 70 e irresistível apelo dançante. É que Chicago, além de ser lar de MCs famosos, é berço de alguns dos DJs pioneiros da música eletrônica. Gente que organizava festas em galpões abandonados da cidade no final dos anos 80."Lembro de ir a essas festas quando tinha 13 anos. Freqüentava os lugares em que tocavam DJs conhecidos, e isso influenciou muito minha música. Eu comprava coletâneas em fitas K7 e obrigava meus pais a ouvi-las durante nossas viagens."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.