Kanye West, um rapper em viagem pelo futuro

Fã de ficção científica, ídolo do hip-hop se apresenta hoje em São Paulo e toca faixas de disco inédito

Marcus Vinícius Brasil, O Estadao de S.Paulo

22 de outubro de 2008 | 00h00

Kanye West é um rapper vaidoso. Mas em vez de ostentar colares cromados e carros conversíveis - como fazem alguns de seus pares -, ele prefere usar óculos com armação estampada e tênis coloridos. West é um exemplo do que acontece quando o hip-hop cruza com o mundo das grifes e estilistas. Uma das principais atrações do TIM Festival, o rapper, que se apresenta hoje em São Paulo e sexta no Rio, falou ao Estado sobre seu próximo álbum, 808?s & Heartbreak, e suas apresentações. Veja especial sobre o TIM Festival Sua turnê é uma grande produção, e está entre as mais caras do hip-hop na atualidade. Você não se sente distante do espírito original do rap, que era o de um sujeito com um microfone ao lado de um DJ? O estranho é que minha turnê está bem próxima do conceito primário de "rhythm and poetry", que é o de um MC com um microfone. A diferença é que há um planeta no palco, com luzes especiais e uma tela grande por trás. Mas o elemento original, que é o de um único cantor rodeado por uma multidão, ainda está lá.O que inspirou o visual dos shows?Foi a ficção científica. Eu sempre fui um grande fã do gênero, e meu sonho era ser um personagem em um filme de ficção. Estou realizando esse sonho com a turnê. Eu pensei todo o conceito um mês antes de ela começar. Já havíamos vendido boa parte dos ingressos antes de o palco ter sido desenhado. Tínhamos um projeto completamente diferente, mas decidi de última hora que seria assim. No novo álbum você mudou os arranjos tradicionais do rap, usando instrumentos como piano e violino. Como foi a composição do disco? Não foi calculado, apenas quis tentar algo novo. Eu estava procurando por um som que fosse bem simples, que as pessoas possam ouvir e dizer quais instrumentos estão sendo tocados. Eu já fiz músicas no passado com tantos elementos que era impossível dizer de onde vinha cada som. É como estar acostumado a conquistar garotas usando jóias, em um carrão, e depois tentar fazer o mesmo vestindo apenas uma camiseta. Ou como fazer um nu frontal. É um pouco assustador.Como acha que seus fãs vão encarar essa mudança?Boa parte do meu público é de gente que gosta do rap original, com sons pré-gravados e rimas. Mas eu não poderia fazer um disco apenas para agradá-los, mas para agradar a mim. Espero que eles estejam abertos para ouvi-lo, porque minhas marcas ainda estão lá.Você tem evitado falar com a imprensa do seu país. Por quê?Tenho problemas com quem tenta mudar minhas palavras e impede que o público saiba a verdade. Fazem com que você pareça a pior pessoa do mundo. Só porque eu faço música boa? É uma mentalidade muito louca. Por isso fiz um blog, e lá coloco tudo o que penso. ServiçoKanye West. TIM Festival - Arena de Eventos. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n.º, portão 3 do Parque do Ibirapuera. Hoje, 21 h. R$ 250

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.