AFPPHOTO / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Andrew Burton
AFPPHOTO / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Andrew Burton

Justiça francesa condena Jeff Koons e o Centro Pompidou por plágio

Multas são de cerca de 50 mil euros

EFE

10 de março de 2017 | 10h59

PARIS - O Tribunal Superior de Paris condenou ao pagamento de multa o artista americano Jeff Koons e o Centro Pompidou, acatando denúncia dos herdeiros do fotógrafo francês Jean-François Bauret, de que a obra Naked (Nu), do artista americano, é plágio, calcada em obra do fotógrafo.

A instituição cultural parisiense e a empresa Jeff Koons LLC, da qual o artista é diretor, foram condenadas a pagar 20 mil euros (US$ 21.000) a título de danos aos herdeiros do fotógrafo, e mais 20.000 euros de custas judiciais. Da sentença ainda cabe recurso.

Koons, 62 anos, foi obrigado ainda a pagar mais 4.000 euros (US$ 4.200) à família por ter reproduzido a obra em sua página na Internet.

Sua escultura de porcelana representa um menino e uma menina de cerca de oito anos, ambos nus.

Para a mulher do fotógrafo, Claude Bauret-Allard, o artista se inspirou diretamente em foto feita por seu marido, que morreu em janeiro de 2014.

Jean-François Bauret foi um dos pioneiros dos retratos de nus e pela sua objetiva passaram, vestidas ou não, inúmeras personalidades, como o cantor Serge Gainsbourg, o estilista Jean-Paul Gaultier, lembrou o jornal Le Parisien.

Naked faria parte da retrospectiva que o Centro Pompidou dedicou ao artista americano, inaugurada em novembro de 2014 e que foi até abril de 2015. Mas o museu decidiu não expor a obra por entender que estava “ligeiramente danificada”.

Uma outra obra dessa série, Fait d’hiver também foi retirada da mostra depois que o autor das campanhas publicitárias da marca Naf-Naf, nos anos 80, Franck Davidovici, também acusou Koons de plágio.

A escultura em questão mostra um porquinho que se aproxima de uma mulher caída na neve, similar à imagem dos anúncios publicados em 1985.

A exposição dedicada ao artista, intitulada Jeff Koons foi a mais visitada na história do Centro Pompidou de Paris, no caso de um artista vivo, com um total 650.045 visitantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.