Ministério da Cultura da França
Ministério da Cultura da França

Justiça apreende peças egípcias do Met de Nova York

Inteligência investiga uma operação de tráfico internacional de obras de arte

AFP, Redação

02 de junho de 2022 | 20h07

A Justiça de Nova York apreendeu cinco antiguidades egípcias do Museu Metropolitano de Arte (Met) em uma investigação por tráfico internacional que implica um ex-diretor do Louvre de Paris.

Entre as antiguidades estão um retrato fúnebre de uma mulher datado entre os anos 54 e 68 a.C., de cerca de 1,2 milhão de dólares e retalhos de linho pintado com a representação do Livro do Êxodo, de entre 250 e 450 a. C. e avaliados em 1,6 milhão de dólares, segundo um documento judicial obtido pela AFP.

O porta-voz do gabinete da Procuradoria de Manhattan afirmou que a apreensão é relacionada "à mesma investigação" aberta em Paris, que acusa o ex-presidente e diretor do Louvre, Jean-Luc Martínez. Segundo a The Art Newspaper, que revelou a informação, as peças foram adquiridas entre 2013 e 2015 pelo Met Museum de Nova York.

Consultado nesta quinta-feira pela AFP, o museu mencionou uma nota anterior na qual afirmou ser "vítima de uma organização criminal internacional" e garantiu que estava disposto a "colaborar" com as autoridades. Em 2019, o grande museu de Nova York devolveu ao Egito um sarcófago dourado que comprou em 2017, mas que havia sido roubado em 2011. O Met precisou interromper uma exposição dedicada ao túmulo em homenagem à Nedjemankh, o sacerdote de Deus com a cabeça de carneiro Heryshef.

A investigação parisiense tenta esclarecer se, o Louvre de Abu Dabi adquiriu algumas das centenas de peças roubadas durante a denominada Primavera Árabe, e suas revoltas massivas em vários países do Oriente Próximo e Médio em 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.