Jô põe poemas de Fernando Pessoa na versão remix

Espetáculo em que o apresentador ''''diz'''' poesia tem a parte musical adaptada pelo baterista da Blitz, Billy Forghieri

Livia Deodato, O Estadao de S.Paulo

14 de novembro de 2007 | 00h00

Há cerca de um ano, Jô Soares entrevistou a Blitz em seu programa e ficou fascinado com a idéia do baterista da banda, Billy Forghieri. Amigo do neto de Carlos Drummond de Andrade, Billy experimentou ''''musicar'''' algumas das mais notáveis obras daquele considerado o maior poeta modernista brasileiro. ''''Ele botou um street dance em cima de um dos poemas do Drummond e gostei muito da brincadeira'''', relembra Jô. O apresentador pensou, então, em fazer a mesma coisa com a obra do português Fernando Pessoa, poeta que admira desde os seus 14 anos, e chamou Billy para trabalhar com ele. O resultado dessa parceria pode ser conferido a partir de hoje no espetáculo Remix em Pessoa, sob direção de Bete Coelho. ''''Friso que vou ''''dizer'''' poemas e não recitar, que é um horror. Gosto de interpretar os personagens contidos neles.''''Tamanha é a sua preocupação em ser fiel ao contexto em que foram escritos, que Jô vai ''''dizer'''' os poemas com sotaque português. E justifica a sua opção amparado pela mesma opinião do ator português João Villaret, morto em 1961, que costumava declamar poesias verde-e-amarelas com sotaque brasileiro. ''''Existem palavras de lá que não se desenvolveram aqui, como por exemplo, algibeira, enxovalho. No fim, acho que o trabalho ficou suave e bem interessante.''''Dos 12 poemas selecionados por Jô, dez são do heterônimo Álvaro de Campos e os outros dois, assinados por Pessoa mesmo. ''''Os poemas de Álvaro de Campos contêm mais humor, são mais cínicos, e é com eles que me identifico.'''' O apresentador destaca, por exemplo, o poema Ao Volante do Chevrolet (''''Ao volante do Chevrolet pela estrada de Sintra/Ao luar e ao sonho, na estrada deserta/Sozinho guio, guio quase devagar...''''). ''''É um poesia de 1928 e que me faz lembrar imediatamente da letra de As Curvas da Estrada de Santos, do Roberto Carlos, cantada por Elis.'''' Sou eu, O Menino da Sua Mãe, Aniversário, Dobrada à Moda do Porto, Liberdade, Poema em Linha Reta, Ah, Um Soneto, Autopsicografia, Adiamento, Começa a Haver e Cruzou por Mim são os outros 11 poemas escolhidos que devem proporcionar uma experiência tão saborosa ao público quanto foi para o Jô.O trabalho de sobrepor músicas para embalar os poemas foi considerado por Billy Forghieri relativamente fácil. ''''Cada verso de um poema do Fernando Pessoa já dá de presente um ritmo, mostra o caminho que você deve seguir. Eles são muito inspiradores'''', diz. No repertório musical estão desde músicas clássicas de Bach, passando pelo jazz e valsas, até hip hop, rock e batidas eletrônicas, como drum''''n''''bass. O CD já está disponível para venda.Jô planeja, em breve, realizar o mesmo trabalho com um poeta brasileiro. A única dica que ele adianta é que o escolhido é considerado maldito. Que talvez atenda pelo sobrenome contraditório Dos Anjos? L.D.Serviço Remix em Pessoa. Livraria Cultura Conjunto Nacional - Teatro Eva Herz (166 lug.). Av. Paulista, 2.073, 3170-4059, 4.ª e 5.ª, 21h30. R$ 40. Até 29/11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.