Jerry Lewis, o humor do aloprado invade a TV paga

Com O Professor Aloprado, sua obra-prima de 1963, na qual adaptou O Médico e o Monstro, de Robert Louis Stevenson, para fazer a psicanálise da matriarcal sociedade americana, Jerry Lewis mostrou que não era apenas um comediante fora de série, mas também um ator e diretor fascinado pela multiplicidade dos papéis. Jerry raramente foi apenas um, em cena. Sua persona se multiplica em dois, três personagens, e ele tanto pode recorrer a outros atores como encarnar uma família inteira (A Família Fuleira, de 1965).Entre os dois situa-se O Otário, que passa às 20h05 no Telecine Cult. Muita gente acha que este é o filme mais estranho de Jerry Lewis - sobre a morte de um comediante -, e alguns críticos até se arriscam a dizer que não é engraçado. A história começa com a morte acidental do artista, que desencadeia a busca por um substituto. O escolhido é esse mensageiro trapalhado - personagem sob medida para o estilo do ator e diretor.Ina Balin, Peter Lorre, Everett Sloane e John Carradine dividem a cena com Jerry (ou multiplicam seu potencial cômico, dependendo do ponto de vista). Pouco engraçado, este filme? Vocês devem estar brincando...

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.